por Super User

FÓRUM

Alisson Henrique

Natália Cherubin

 

ENTRESSAFRAS CADA VEZ MAIS CURTAS PEDEM MUDANÇAS

“A melhoria da produtividade no campo acelerou também os processos industriais, visando a ocupação total da capacidade industrial, alta eficiência de transformação e baixos custos. Neste cenário, associado à possibilidade de variações climáticas, as entressafras estão sendo reduzidas para disponibilizar ao máximo os ativos para a produção. Dentre os pontos críticos da redução dos períodos de entressafra, a manutenção dos ativos torna-se cada vez mais desafiadora, devendo ser executada de forma preventiva e estratégica durante a safra, programando-se para a entressafra somente as atividades de manutenção que requerem parada do processo ou elevados prazos de manutenção. Trata-se de uma mudança cultural, pois antigamente a manutenção preventiva das unidades era concentrada nas longas entressafras.”
Ricardo Lopes, diretor de Operações e Originação da Biosev

SE BEM ESTUDADA E APLICADA TRAZ BONS RESULTADOS

“Apesar de ser uma tendência em muitas unidades, acredito que a manutenção durante a safra [linear] precisa ser muito bem estudada e elaborada. Não é uma receita de bolo que vale para todos. É preciso respeitar a cultura de cada usina e modelar a situação de acordo com cada realidade. A entressafra é um período em que o fluxo de caixa é mais sensível e, portanto, realizar grandes manutenções durante este intervalo pode ser mais complicado e oneroso. O interessante é manter uma manutenção de qualidade durante o ano todo e assim buscar boa disponibilidade mecânica no decorrer da safra.”
Sidnei João Bortolozzo, engenheiro Mecânico e consultor

PREDITIVA E INSPEÇÃO

“Na verdade vejo que vem crescendo gradativamente a utilização de técnicas de manutenção preditiva, preventiva e inspeção de equipamentos durante a safra. A utilização destas técnicas trazem algumas vantagens. Na minha visão as duas são extremamente importantes: a primeira é que nos propicia maior previsibilidade da situação dos equipamentos, ajudando a definir a melhor estratégia de manutenção durante a safra, como por exemplo, fazer a manutenção do equipamento em uma parada por chuva, aproveitando a oportunidade. A outra vantagem, tão importante quanto a primeira, é que podemos identificar claramente quais equipamentos necessitam de manutenção, evitando desmontagens e manutenções desnecessárias durante a entressafra. Os equipamentos que apresentam boas condições ficam em um processo de hibernação durante a entressafra, sendo conservados para estarem aptos a operar no início da safra seguinte. É importante pontuar que o setor é sazonal e embora a entressafra possa ter períodos mais curtos, dificilmente deixará de existir. Temos de buscar a excelência em todos processos e na manutenção não é diferente. Manter uma equipe bem preparada e ter um bom planejamento baseado nas técnicas citadas acima faz com que sejamos assertivos na manutenção, reduzindo prazos e custos, tanto na safra quanto na entressafra, além de garantir boa performance e disponibilidade da planta industrial.”
Flavio Augusto Berni, gerente Corporativo de Manutenção e Engenharia da Tereos Açúcar & Energia Brasil

CUSTO, CONFIABILIDADE E OPERACIONALIDADE

“Sim. Dentro da Santa Vitória Açúcar e Álcool buscamos equalizar o tripé custo/confiabilidade/operacionalidade para que tenhamos uma distribuição harmônica entre eles. Utilizamos a ferramenta PCM (Planejamento e Controle de Manutenção), a qual une as solicitações e demandas de manutenção, melhorias, operação e segurança. A partir daí cruzamos as necessidades e desenvolvemos um planejamento mais integrado.”
João Carlos Colonese, gerente de Manutenção da Usina Santa Vitória Açúcar e Álcool

 

VIABILIZA SAFRAS MAIS LONGAS

“Há uma tendência sim, porque ajuda a viabilizar uma safra mais longa, dando maior aproveitamento ao parque industrial, ou seja, permite redução de custo total na indústria.”
Hênio Respondovesk, gerente Industrial Geral da Usina Ferrari

OTIMIZANDO TEMPO

Everaldo%20Honorato.jpg

“Sim. Pois estamos com entressafras cada vez mais curtas e precisamos otimizar o tempo. Trabalhando preventivamente nos equipamentos, conseguimos manter uma boa disponibilidade e fazer as reformas de entressafra em menor tempo. Hoje o planejamento de reforma dos equipamentos são baseados em históricos, disponibilidade, gastos e custos.”
Everaldo Honorato, supervisor de Manutenção Automotiva da Usina Pitangueiras

 

 

PCM É PEÇA CHAVE

Antonio%20Celso%20Milan%201.jpg“As entressafras mais curtas tem sido uma quebra de paradigma que o setor já vem enfrentando há alguns anos. Com intervalos mais curtos de safra, o Planejamento e Controle de Manutenção é peça chave para sucesso da manutenção. Sem um bom planejamento fica insustentável uma boa e eficaz manutenção. Existem unidades que não conhecem o termo entressafra porque já desenvolveram uma manutenção preditiva que permite fazer somente paradas estratégicas, fazendo com que não haja entressafra.”
Antonio Celso Milan, gerente da Fourteam Ribeirão Preto

 

UMA REALIDADE

Expedito%20Floriano.JPG“Para nós é uma realidade, porque o período de entressafra é bastante reduzido. Como dispomos de apenas três meses para o apontamento, é mais que necessidade fazer as manutenções lineares. Elas servem como ‘mini-apontamentos’ efetuados durante o período de moagem e que geralmente ocorrem a partir de dezembro. O mecanismo que aponta a necessidade é o checklist feito no campo, que nos dá um raio-X de como anda a frota canavieira.”

Expedito Floriano Alves, gerente da Japungu Agroindustrial

REGULARIDADE NA ENTREGA DE CANA PARA A INDÚSTRIA

Aferri.jpg “É uma tendência que isso ocorra cada vez mais. Além disso, ações como, por exemplo, o sequenciamento da colheita por colheitabilidade dos canaviais, vem ganhando cada vez mais espaço na gestão agrícola em razão da regularidade e potencial de capacidade de entrega da matéria-prima na usina pela frota de CTT ao longo da safra.”

Antonio Afférri, sócio e consultor da RPA Consultoria