Tecnologia Agrícola - Frente a frente

 TECNOLOGIA AGRÍCOLA

 

 

Um dos principais fatores para o alto desempenho do CTT (Corte, Transbordo, Transporte) de uma unidade é ter uma boa disponibilidade mecânica das máquinas e veículos envolvidos nestas atividades, principalmente dos caminhões canavieiros. Foi pensando nisso que a revista RPAnews desenvolveu, na edição 189, uma matéria especial sobre o tema: “como anda a disponibilidade mecânica dos caminhões canavieiros nas usinas?”

O sucesso e repercussão da reportagem foi tanta que, com o objetivo de explorar um pouco mais sobre as tecnologias embarcadas e as últimas melhorias dos modelos de caminhões para a operação de transporte de cana disponíveis no mercado, fizemos uma pesquisa e coletamos dados diretamente com as fabricantes. O objetivo é gerar um comparativo espontâneo entre as marcas mais utilizadas nas usinas sucroenergéticas: Mercedes-Benz, Iveco, Scania e Volvo.

Para que isto fosse possível e, como as marcas oferecem caminhões de diferentes trações e potências, selecionamos os modelos de cada uma das fabricante que seriam, em números de tração e potência, mais próximos entre si (6X4 e 440 a 520 cv).

QUAIS AS ÚLTIMAS TECNOLOGIAS EMBARCADAS NOS MODELOS DE CAMINHÕES MAIS UTILIZADOS PARA O TRANSPORTE DE CANA?

MERCEDES-BENZ

A marca lançou recentemente o câmbio totalmente automatizado PowerShift, sem pedal de embreagem e com sensor de inclinação. A companhia conta que o software do câmbio calcula o grau de inclinação e com precisão aciona a marcha ideal para o caminhão sair em rampa. O câmbio, desenvolvido especificamente para a aplicação off-road assegura conforto, economia e excelente desempenho nas severas operações fora de estrada. De acordo com a empresa, o Mercedes PowerShift contribui para a redução no consumo de combustível graças às trocas de marchas mais precisas. O sistema conta com três funções inteligentes que agregam mais desempenho, economia e conforto.

IVECO

Alexandre Capelli, gerente de Engenharia da Iveco destaca, entre as novas tecnologias embarcadas nos modelos da empresa, as calibrações de motor para oferecer maior torque, especialmente em baixas rotações e nas retomadas de troca de marcha. Além disso, o veículo apresenta uma estratégica troca de marchas mais adequada para operação fora de estrada, o que permite melhor aproveitamento do torque do motor em diferentes regimes de demanda pelo motorista. A função de partida fora de estrada, que proporciona maior torque nas rodas em condições críticas de partida, como rampas íngremes e/ou com carga elevada, também é apresentada como destaque.

VOLVO

O modelo mais vendido pela Volvo para o setor canavieiro é o FMX 540. De acordo com a empresa o modelo foi especialmente desenvolvido para o transporte pesado em condições severas, como o de cana-de-açúcar, e se destaca por sua robustez, alta capacidade de carga, disponibilidade e estabilidade. Para o transporte de cana-de-açúcar o veículo está disponível nas versões 6x4 e 8x4 e é equipado com freio motor Volvo (VEB) de 510 cv, além de também possuir opções de eixos de 130 e 150 toneladas de PBTC (Peso Bruto Total Combinado). A empresa destaca entre as principais inovações os motores de alta potência e torque, que atendem as necessidades da operação canavieira.

SCANIA

Emilio Fontanello, engenheiro de Pré-Vendas da Scania no Brasil, destaca, dentre uma série de tecnologias embarcadas, o Driver Support, que atua como se fosse um instrutor ao lado do motorista dando sugestões sobre como dirigir com mais economia de combustível e segurança. O sistema dá dicas ao motorista quanto as melhores condições de frenagem, aceleração, inércia, rotação do motor e freios auxiliares. Outro item de destaque, segundo Fontanello, é o ABS (Sistema Antibloqueio de Freios) desenvolvido pela fabricante, que proporciona maior segurança, aumento da capacidade de frenagem e melhor dirigibilidade. Além disso, os caminhões da marca podem ser equipados com um bafômetro, que ao ler o teor alcoólico do motorista, permite ou não que seja dada a partida no veículo.

HOUVE MELHORIAS PARA ATENDER A RIGOROSA OPERAÇÃO DE TRANSPORTE DE CANA?

IVECO

Nos caminhões off-road da marca houve a introdução de uma nova travessa principal do chassi - conhecida como travessa “H” - que aumenta significativamente a rigidez do chassi e, consequentemente, a dirigibilidade do veículo em terrenos acidentados; melhoria de conexões e vedações, que estão mais robustas; novos coxins de motor, também mais robustos para operação severa, com alta demanda de torque; novas molas com maior durabilidade. “Além disso podemos destacar os tanques de combustível e arla reforçados para esta operação. Tivemos outras inúmeras pequenas modificações feitas progressivamente para tornar o veículo ainda mais robusto e confiável’, revela Capelli.

SCANIA

Fontanello explica que como haverá uma necessidade de veículos mais potentes em comparação àqueles que são disponibilizados hoje para o segmento off-road, a Scania oferece ao mercado o caminhão R 620 6x4 que atende com significativa reserva de potência a portaria 01/89 do INMETRO que estabelece a relação peso/potência de 5,71 cv/t. “Esta regra é utilizada para evitar que o veículo trafegue com velocidade muito baixa em aclives. Por exemplo, se dividirmos 620 cv por 91 t teremos 6,81 hp/t, quase 20% a mais que a portaria determina. (1 cv ~ = 1 hp), ” acrescenta.

VOLVO

A Volvo destaca que, além dos itens novos listados, uma das inovações presentes no FMX é a caixa câmbio eletrônica I-Shift, que na sexta geração é ofertada em versão desenvolvida para operações pesadas. A caixa possui software específico para aplicações no transporte de cana e é muito mais robusta para aguentar as trocas intensivas de marcha que a operação exige. A Volvo oferece nesta aplicação duas opções de caixa eletrônica I-Shift, com 12 e 14 marchas. A caixa com 14 marchas permite marchas super reduzidas, que proporcionam uma capacidade de arranque excepcional para caminhões com cargas pesadas e em situações difíceis.