Executivo - Homem de ferro

EXECUTIVO

 

Marcelo Couto 

Idade - 43 anos

Naturalidade - Rio de Janeiro

Estado civil - Casado

Formação - Engenharia de Produção e MBA em Marketing pela Ibmec na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro)

Cargo - Diretor de M&A e Bioenergia da Raízen

Hobby - Fazer triatlhon

Filosofia de vida - “Ser feliz, praticar o bem e cuidar das pessoas queridas ao seu lado. O resto é consequência.”

Alisson Henrique

Ser movido a desafios e estar sempre de bem com a vida. Esse é o segredo para o sucesso tanto na vida profissional como pessoal, conta o executivo do mês desta edição. É com o pensamento sempre positivo que Marcelo Couto, hoje diretor de M&A e Bioenergia da Raízen, cria boas energias para enfrentar as maratonas da vida. Que não são poucas, já que ele é triatleta e se aventura em provas de IronMan.

Formado em Engenharia de Produção, Couto explica que optou pelo curso porque sempre se identificou com as ciências exatas. No entanto, nunca cogitou a hipótese de atuar como técnico ou especialista de algum tema, já que acredita que sempre teve uma visão mais abrangente das coisas. “Quando conheci a Engenharia de Produção percebi imediatamente que o curso era exatamente o que eu procurava. ”

Ele comçou sua carreira na Shell, em 1998, por pura admiração pela marca. Trocou um estágio em um banco de investimentos, que naquela época era objeto de desejo de dez em cada dez estagiários de Engenharia de Produção, para ingressar na área de Marketing de combustíveis da Shell. “Com isso construí um background nas áreas de Business Development e Marketing, atuando no Brasil e em Londres por dois anos”, revela.

 Em 2011, Couto chegou a Raízen com o desafio de atuar na área de Marketing de Combustíveis e também para criar uma área nova de Payment & Loyalty, ou seja, relacionamento com clientes - tema bastante estratégico para a companhia. Outro desafio era extrair mais valor dos produtos de payment/meios de pagamento com a escala da rede de postos.

“Neste período, de 2011 a 2014, fizemos a start-up da área, desenvolvendo algumas joint ventures de sucesso, dentre elas a Raízen-Santander, para desenvolvimento de produtos financeiros, em especial um cartão de crédito co-branded. Além disso, criamos também o Raízen-Cielo, para capturar receita das transações de cartões de crédito da rede de postos, o Raízen-Ecofrotas, desenvolvendo um produto de controle e gestão de abastecimento para frotas de caminhões. Também adquirimos uma participação no Sem Parar e desenvolvemos uma funcionalidade disruptiva de pagamento do abastecimento via tag do Sem Parar”, relembra Couto.

 Após este período, o executivo foi convidado para liderar a área de Serviços da Comgás. Era o momento de Couto ser um agente de mudança e conseguir aportar uma nova gestão e visão de negócios na Comgás, colhendo todos os benefícios para incremento do resultado do negócio. “Tive a oportunidade de redesenhar a estratégia de atuação e contratação da área de serviços. Foi um processo de profunda revisão de escopo de atuação e portfólio de serviços e revisão da rede de parceiros que atuavam na execução destes serviços. Como resultado tivemos enormes ganhos de redução de custos e aumento de produtividade do negócio”, orgulha-se.

UM NOVO SETOR

A aproximação de Couto com o setor sucroenergético aconteceu há apenas um ano, quando a Cosan comprou a Comgás e o executivo saiu da Raízen Combustíveis e foi convidado para trabalhar na empresa. “Naquele momento alguns profissionais foram indicados para um processo de mudança da gestão do negócio - mind set change da companhia – para atuar rapidamente em capturar sinergias e benefícios. Atuei lá por dois anos e na minha volta para a Raízen fiquei encantado com o agronegócio e principalmente com a área de energias renováveis.”

 O executivo da Raízen conta que seu objetivo de carreira sempre foi ter uma atuação abrangente no setor de energia. Por isso construiu sua carreira atuando em varejo de combustíveis, óleo, gás e agora energia renovável. De acordo com ele, a atuação abrangente da Raízen e seus acionistas (Cosan e Shell) é um grande facilitador do seu trabalho e uma das características que mais admira no grupo.

 O desafio para ser diretor de M&A e Bioenergia na empresa foi recebido por Couto com muita alegria. “Liderar a frente de M&A, ajudar a empresa a crescer no setor e desenvolver nosso portfólio de usinas do futuro é um momento ímpar para qualquer executivo. Me motiva muito imaginar que cada negócio realizado é um legado que deixo para o futuro do nosso negócio. Liderar o business de energia renovável - ou Bioenergia, como chamamos internamente - é igualmente desafiador e recompensador. ”

ENERGIAS RENOVÁVEIS: MOMENTO DE DISRUPÇÃO

Repleto de oportunidades. É assim que Couto resume o atual momento das energias renováveis no Brasil. Para ele, o setor de energia vai passar por profundas mudanças regulatórias e tecnologias disruptivas irão mudar completamente a cadeia de valor. “Eletrificação e descentralização da geração de energia não são mais tendências, são realidades. E em toda minha carreira mudança foi sinônimo de oportunidade”, acrescenta.

 Couto revela que hoje a empresa tem investido bastante no negócio de energia renovável, tanto em novas plantas de cogeração quanto na otimização do negócio atual, com aporte de tecnologia e gestão de negócios. “Nesta safra adquirimos bastante biomassa do mercado e dedicamos muito tempo em pilotar, aprender e estruturar nossa operação de recolhimento de palha do campo. Esta é uma tremenda oportunidade para aumentarmos ainda mais nossa geração de energia.”

Além de usar o bagaço da cana, principal subproduto usado para a cogeração, a empresa tem usado também o cavaco de eucalipto e outros tipos de biomassa como palha de arroz e casca de amendoim. “Atualmente exportamos 2,8 TWh para o grid. Ainda não é nossa capacidade máxima, mas estamos investindo bastante esforço na integração e otimização de todas as etapas da cogeração: originação e logística de biomassa, operação industrial e o trading de energia. Apesar do recorde histórico, vamos gerar ainda mais energia.”

Hoje a bioenergia tem um papel extremamente relevante para o setor e para o país e Couto afirma que é hora de reconhecer o grande potencial de receita da geração de energia limpa e sustentável para o país. “Acredito que a biomassa deveria ter um papel ainda mais relevante no setor elétrico. Ainda há um grande potencial a ser explorado através de novas plantas, uso da palha e demais fontes de biomassa.”

Otimista com o setor, ele afirma que apesar do Brasil já ter uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, um dos maiores desafios para os próximos meses é quanto a aprovação do Renovabio no Congresso e a resolução de problemas estruturais que vem causando a judicialização no setor.

HOMEM DE FERRO

Organizar o dia a dia é sempre um desafio, revela Couto. Com uma carga de viagens muito pesada, seja rodando pelas unidades da empresa espalhadas por São Paulo ou visitando as unidades no Mato Grosso do Sul ou Goiânia, ele revela que gosta de um equilíbrio entre o trabalho e vida pessoal. “Gosto de estar conectado com o mercado, saber o que está acontecendo, acessar as diversas tecnologias, entender a visão dos outros players e o que estão fazendo de diferente. Gosto de estar na ponta, na operação. A verdade está sempre no campo e no mercado. ‘Gastar a sola do sapato’ é fundamental”, ele adiciona.

Segundas e sextas-feiras são os dias para as reuniões de follow-up das diversas iniciativas, projetos e frentes de negócios. A agenda é corrida, mas ele conta que pára tudo para conversar e auxiliar o desenvolvimento da sua equipe. Esse é seu lado profissional.

Na vida pessoal ele é um verdadeiro homem de ferro. Ele ama praticar Triatlhon (esporte que inclui corrida, natação e ciclismo). “É meu principal hobby. Gosto de provas longas. Todos os anos faço pelo menos uma prova de Ironman. No tempo de lazer me dedico aos meus treinos. Nunca uso a desculpa da falta de tempo para não treinar, porque acredito que com disciplina e organização você consegue encaixar tudo na agenda. É só acordar mais cedo ou dormir mais tarde. Mas também gosto de ter um tempo para outras coisas, como ler. Procuro sempre por livros com temáticas de negócios.”

Para ele, que se considera um cara de bem com a vida e que adora viajar, um dos segredos para o sucesso é ser feliz, praticar o bem e cuidar das pessoas queridas ao seu lado. O resto é consequência. “Adoro viajar ao lado da minha esposa. É um grande prazer conhecer lugares novos. Não gostamos de repetir viagens, a não ser Nova York e Londres, que são nossas cidades preferidas. Mas gostamos de variar entre viagens de esportes, com a família, relaxamento, cultural e de aventuras. As próximas viagens serão de relaxamento total nas Maldivas e de esportes no Ironman da Áustria, em 2018.”

 Ele conquistou a humildade, aprendeu a trabalhar duro e a ter muita disciplina. “As coisas não caem do céu. Quem trabalha mais se prepara melhor, tem mais sorte e sempre chega lá. Só tem uma coisa que eu ainda não realizei: o sonho de ser pai.”