por Super User
Enquanto o país vê a taxa média de emprego ser achatada pelo rolo compressor da baixa atividade econômica, a indústria de máquinas agrícolas pisa no acelerador e aumenta as contratações.
 
No mês passado, a indústria tinha em seus quadros 17,04 mil trabalhadores, 8,3% mais que em igual período do ano passado, conforme dados divulgados nesta terça-feira (6) pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores).
 
Esse aumento de emprego ocorre devido à aceleração da produção e das vendas de máquinas neste segundo semestre.
 
Após uma queda de 31% nas vendas de janeiro a junho, em relação a igual período de 2015, a comercialização de máquinas de julho a novembro supera em 20% a de igual período do ano passado.
 
O grande destaque deste ano fica para as vendas de colheitadeiras, que somam 3.740 unidades, 6,8% mais do que em igual período de 2015.
 
O setor agrícola se prepara para uma safra recorde, estimada em até 215 milhões de toneladas, conforme previsões da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento).
 
A venda de tratores ficou em 38,8 mil unidades neste ano, 9,3% menos do que em 2015. A queda ocorre principalmente nas máquinas de menor potência. A comercialização de tratores de até 80 cv caiu 18% no ano, enquanto a de 81 cv a 130 cv recuou 7,8%.
 
Já os tratores com potência superior a 130 cv tiveram um crescimento de 18% no ano.
 
Os dados mostram que, enquanto os pequenos produtores chegaram ao limite de crédito e do poder de compra, a chamada agricultura empresarial ainda tem fôlego para adquirir máquinas.
 
Mesmo com o crescimento das vendas neste segundo semestre, a atividade do setor ficará, neste ano, bem distante da de 2013, quando as vendas atingiram 83 mil unidades.
 
 
Milho a caminho dos 100 milhões de toneladas
 
A produção nacional de milho deverá atingir 99 milhões de toneladas na safra 2016/17. A previsão, se confirmada, indicará evolução de 34% em relação ao volume produzido no ano passado.
 
Os dados são da Céleres, que prevê início de colheita já na segunda quinzena de janeiro/17.
 
A chegada antecipada do cereal deverá regular, pelo menos a curto prazo, a baixa disponibilidade de milho no mercado interno durante o primeiro semestre do próximo ano, segundo a consultoria.
 
A produção de milho será de 35,1 milhões de toneladas na primeira safra, a de verão, e de 63,9 milhões na segunda, a chamada safrinha.
 
Já a produção de soja fica em 103 milhões de toneladas, provinda de uma área de 33,8 milhões de hectares. A produtividade média está estimada em 3,04 toneladas por hectare, segundo a Céleres.
 
Fonte: Folha de S. Paulo