DICAS E NOVIDADES

 

 
CASE EQUILÍBRIO COMPROVA RETENÇÃO MÁXIMA DE BAGACILHOS DE 97% DA PENEIRA ROTATIVA À PRESSÃO

Um estudo de caso recente realizado em uma usina de açúcar e etanol do Estado de São Paulo, com processamento de cana, por safra, de 3,25 milhões de t, mostrou números significativos de eficiência no tratamento do caldo misto após a introdução da peneira rotativa à pressão (tela de 100 mesh) da Equilíbrio. Detentora da tecnologia, a empresa desenvolveu o equipamento para realizar a segunda filtração do caldo misto, aumentando a remoção de sólidos.

A análise constatou o aumento relevante na produção de açúcar de 52 sacos/dia e de etanol de mais de 850 l/dia, além de uma redução na torta de filtro de 10 kg/tc após a peneira à pressão instalada. Ao todo, foram recuperadas 13 mil t de bagaço. “Com o equipamento no início do processo, existe ainda uma redução de resíduos sólidos que ocasionam o entupimento e incrustação dos trocadores de calor e evaporadores, por exemplo. Isso impacta, inclusive, no consumo de produtos químicos para a limpeza dos equipamentos, que sofre uma queda”, explica, Priscila Fernandes Coppede, engenheira química da Equilíbrio, responsável pelo estudo. 

Segundo Carlos Alberto Celeste Jorge, presidente da Equilíbrio, com o balanço do último estudo de caso, é possível recuperar o investimento na peneira rotativa à pressão em até quatro meses. “É importante dizer que, seguir as instruções de utilização e manutenção do equipamento é essencial para alcançar números tão positivos. Estamos satisfeitos com esse retorno e queremos que o mercado comprove esses dados em suas plantas”, acrescentou.

A peneira à pressão já está presente em grandes grupos de usinas no Brasil. De acordo com o engenheiro Jerônimo E. Pandolfi, gerente Industrial do Grupo JB, Unidade Lasa, Linhares, ES, a recomendação para a aquisição do equipamento foi feita pela Unidade Recife, PE, que estava satisfeita com o produto. “Adquirimos dois equipamentos de 300 m3/h e percebemos, dias depois, uma redução na contaminação bacteriana e uma maior praticidade operacional”, comentou. Na América Latina, países como Colômbia, Honduras e Guatemala já desfrutam desta tcnologia.

 

27º ENCONTRO DO GIFC SERÁ REALIZADO DURANTE A FENASUCRO & AGROCANA 2016

O GIFC (Grupo de Irrigação e Fertirrigação de Cana-de-Açúcar) irá promover seu 27º encontro durante a Fenasucro & Agrocana 2016, que acontece em Sertãozinho, SP, de 23 a 26 de agosto.

Com o tema “Benefícios da irrigação na produtividade agrícola da cana-de-açúcar e no estabelecimento e desenvolvimento de mudas pré-brotadas”, a reunião do GIFC será realizada no dia 24 de agosto, das 14h às 17h, no Auditório de Conferência 2.

Durante a feira, que pretende atrair cerca de 33 mil visitantes do Brasil e do exterior nesta edição, o GIFC e seus parceiros também contarão com um estande de exposição, que apresentará aos visitantes informações sobre tecnologias e novidades do segmento de irrigação e fertirrigação para cana-de-açúcar.

 

Sherwin-Williams destaca linha de produtos Ultra Proteção para Fenasucro 2016

A linha SW Ultra Proteção da Tintas Sherwin-Williams, voltada para estabelecimentos comerciais e industriais em geral, que reduz os custos com manutenções e repinturas, será destaque no estande BJ02, da Fenasucro e Agrocana 2016.

Contando com um mercado de 50 usinas de açúcar e etanol, a Tintas Sherwin-Williams espera aproveitar a oportunidade para apresentar seus produtos aos visitantes técnicos de todos os setores.

De acordo com Antonio Freitas, gerente Comercial da Tintas Sherwin-Williams, os produtos da linha SW Ultra Proteção são de alta tecnologia e ultradurabilidade, de fácil aplicação e atendem uma necessidade de proteção que os produtos convencionais da linha imobiliária não consegue atender. “A linha é, inclusive, composta por sete produtos, não necessita de mão de obra especializada e é indicada para indústrias e estabelecimentos de diferentes segmentos. Os produtos são altamente resistentes e indicados para áreas de tráfego intenso”, destaca.

 

USINA NOVA GÁLIA ALCANÇA 90% DE DESEMPENHO NAS SUAS MOENDAS

A Usina Nova Gália, localizada em Paraúna, GO, é composta atualmente por seis ternos de moendas com capacidade para processar 2 milhões de t de cana por safra e tem como um dos principais desafios, garantir a disponibilidade e desempenho das suas moendas, que são o coração da usina. Como seus acionadores de moendas de motor único não alcançavam o desempenho desejado e ficavam parados para manutenção além do tempo ideal, a usina decidiu investir em uma tecnologia para aumentar a disponibilidade e a confiabilidade da operação, além de reduzir o custo de manutenção.

A Danfoss propôs então a aplicação do conversor de frequência VLT AutomationDrive, que foi instalado nos ternos de moenda. A solução, que gera menor nível de Harmônicas (THD) na rede elétrica, é instalado em painel elétrico testado e certificado, o que aumenta a confiabilidade e resistência ao ambiente extremamente agressivo em que fica alocado. O projeto inclui filtros de entrada e saída que protegem tanto o conversor de frequência quanto o motor acionado por ele. Iniciado em 2011, o projeto foi implantado durante a entressafra de 2013 e alcançou eficiência de uso de mais de 90% nas safras dos dois anos seguintes.

“Como a usina é um ambiente extremamente agressivo para equipamentos eletrônicos, a robustez do nosso produto foi fundamental para que os resultados chegassem a um desempenho superior a 90%. Além de trazer eficiência energética, o equipamento pode ficar a até 300 m do motor acionado, o que proporciona muito mais segurança”, destaca Sandro Paulauskas, gerente Comercial da Danfoss.

Com a instalação dos conversores de frequência, as moendas da Usina Nova Gália trabalham a safra inteira sem paradas para manutenção corretiva. O custo de manutenção corretiva em três safras foi mínimo. De acordo com Wendel Bueno, encarregado da Elétrica da Nova Gália, a usina teve grandes ganhos em termos de funcionamento, qualidade, facilidade de manuseio das IHMs e redução do tempo de manutenção. “Ficamos satisfeitos com a qualidade dos drives e atendimento, tanto que optamos por fechar pacotes não apenas para a moenda, mas também para as caldeiras, casa de força e torres de resfriamento”, destaca Bueno.

 

FMC APOIA PROJETO SOCIOAMBIENTAL DA USINA AÇUCAREIRA FURLAN S/A

O projeto “Na trilha do verde, caminhando para o saber” foi realizado no início do mês de julho na sede do Grupo Furlan, em Santa Bárbara d’Oeste-SP, com objetivo de apresentar os trabalhos ambientais realizados pela Usina Açucareira Furlan S/A.

O encontro reuniu mais de 50 pessoas e contou com apresentações sobre a usina e seus projetos ambientais, além dos programas realizados pelo Grupo de Proteção Ambiental, formado por efetivos da Guarda Municipal e visita ao Vale do Comanche, uma APP (Área de Preservação Permanente).

“A união de esforços e o olhar especial no que tange as questões ambientais é uma contribuição muito importante das empresas para com toda a população, o que resulta em multiplicadores de boas ações”, aponta o coordenador do projeto, Jerry Willians de Morais.

O evento foi realizado pela Usina Açucareira Furlan S/A com apoio da FMC Agricultural Solutions, Coplacana, Secretaria de Meio Ambiente e Grupo de Proteção Ambiental.

 

MOVIDA A ETANOL, FÓRMULA INTER PROMETE ALTA PERFORMANCE COM SUSTENTABILIDADE

Além de promover o talento de 22 pilotos brasileiros, a recém-criada Fórmula Inter pode ser considerada uma das mais inovadoras categorias do automobilismo brasileiro por adotar tecnologias desenvolvidas no país em monopostos de corrida abastecidos com etanol de cana.

A presidente da Unica, Elizabeth Farina, acredita que a Fórmula Inter, a exemplo da categoria americana Fórmula Indy, que também usa o mesmo combustível renovável, pode se tornar uma importante plataforma de desenvolvimento tecnológico e marketing para a indústria automotiva de baixo carbono no Brasil, principalmente no segmento esportivo.

“Usar o biocombustível brasileiro em veículos de alta potência fabricado quase que inteiramente no País faz todo o sentido, não apenas pelo fato de produzirmos o etanolmais eficiente e sustentável do mundo, mas também porque a indústria da cana traz enorme prosperidade socioeconômica à nação”, afirma a presidente da Unica.

A Fórmula Inter é uma modalidade que abre espaço para todos os públicos interessados no esporte, como de pilotos amadores, os que ainda precisam de mais experiência antes de encarar categorias internacionais e até mesmo o Kart.

 

Projeto Cana Verde é apresentado no Summit da Fundação Ellen McArthur

O projeto Cana Verde, desenvolvido pelo agrônomo Leontino Balbo Júnior, vice-presidente executivo da Native, é considerado pela Fundação Ellen MacArthur um dos melhores exemplos mundiais de Economia Circular, que é onde se otimiza a produção de recursos e minimiza riscos sistêmicos administrando estoques finitos e fluxos renováveis.

Por este motivo, a empresa se apresentou para o grupo de participantes do programa Circular Economy (CE100) da instituição, durante o Summit que aconteceu na última semana de junho, em Londres.

O modelo de agricultura usado pela Native não utiliza fertilizantes sintéticos e defensivos agrícolas de qualquer natureza. Foi aplicado ao longo de 30 anos em vastas áreas de cana-de-açúcar e apresentou resultados como uma produtividade 20% superior a convencional, diminuição das emissões de gases de efeito estufa em 30%, revitalização das culturas e dos ecossistemas, recuperação e preservação dos recursos hídricos e aumento exponencial da biodiversidade geral.

 

 


 

 

 
Topo