Prejuízo da Biosev cresceu 63%

A sucroalcooleira Biosev, controlada pela francesa Louis Dreyfus Company, teve um prejuízo líquido de R$ 577 milhões no primeiro trimestre da safra atual (2017/18), encerrada em 30 de junho, 63% acima do prejuízo registrado em igual período da temporada passada.

O resultado poderia ter sido pior se não tivesse ocorrido um efeito positivo da tributação do IR e da CSLL. Antes da tributação, o prejuízo foi de R$ 861 milhões.

A companhia não chegou nem a registrar lucro bruto no período. Embora a receita líquida tenha crescido 9,5%, para R$ 1,832 bilhão, o custo dos produtos vendidos e serviços prestados avançou 25%, para R$ 2,014 bilhões. Dessa forma, a Biosev encerrou o trimestre com prejuízo bruto de R$ 182,016 milhões.

Em relatório, a administração da empresa atribuiu a alta dos custos ao crescimento da quantidade de sacarose (ATR) vendida, aos custos não caixa e aos custos unitários. Aumentou, por exemplo, a dependência do fornecimento de cana de terceiros. Houve impacto também do custo com arrendamentos e parcerias.

No lado financeiro, a variação cambial e o pagamento de juros também afetaram o desempenho. O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 474,280 milhões - ante saldo positivo de R$ 27,020 milhões no mesmo período da safra passada. A dívida líquida subiu 11,1%, para R$ 5,218 bilhões, e a alavancagem subiu a 3,8 vezes. (Valor Econômico)