Quais os impactos da reforma trabalhista na relação capital X trabalho no setor da bioenergia?

Com a recente aprovação da Reforma Trabalhista brasileira, muitas dúvidas surgiram tanto para as empresas, quanto para os colaboradores. Questões sobre o que muda com as novas regras e quais os impactos das mesmas no setor produtivo pairam sobre a população de forma geral. No setor da bioenergia não seria diferente, muitos gestores estão atentos a todas as mudanças da legislação e o que elas acarretarão nas relações capital X trabalho.

O advogado Francisco Silva, sócio e diretor do núcleo de Reforma Trabalhista da Saad Advocacia, um dos escritórios mais renomados do país e que foi responsável por estudos técnico-jurídicos apresentados ao Congresso Nacional, destaca que a reforma trabalhista alinhará o Brasil com outros países, como a Itália, Alemanha, Inglaterra, onde as negociações têm força de lei.

"Até o momento, as negociações coletivas ficavam restritas, predominantemente, às concessões visando a paz social. Agora, pôde-se efetivamente negociar, por exemplo, sobre temas que tratam da flexibilidade produtiva ou redução de custos", explicou.

Para o advogado, a aplicação da Nova Lei Trabalhista permite o aumento da produtividade e competitividade, sem que seja preciso retirar os direitos dos trabalhadores, basta saber aplicá-la. "Dentro de alguns anos, as empresas olharão para trás e vão se diferenciar. Algumas terão aumento de custo e redução da flexibilidade e outras se dividirão entre as que tiveram uma boa ou excelente performance em competitividade em virtude da nova lei", ressaltou.

A fim de propiciar uma ampla discussão sobre este tema, o advogado Francisco Silva, apresentará, no último painel da sala de Direito do Agronegócio do 10º Congresso Nacional da Bioenergia, como ficam as negociações coletivas de trabalho após a Reforma, com enfoque no setor da bioenergia. O evento será realizado nos dias 22 e 23 de novembro.

Para ver a programação completa da sala de Direito do Agronegócio, clique aqui. O 10º Congresso Nacional da Bioenergia será realizado no campus da UNIP, em Araçatuba/SP. A programação das demais salas temáticas podem ser vistas clicando aqui.


Inscrições

As usinas e destilarias associadas à UDOP têm direito a 20 inscrições gratuitas cada. Serão concedidos, também, descontos especiais para fornecedores de cana-de-açúcar, através da parceria com a Orplana e para sócios dos sindicatos e entidades ligadas ao Fórum Nacional Sucroenergético. Inscreva-se clicando aqui.


Apoio cultural

A 10ª edição do Congresso Nacional da Bioenergia conta com o apoio cultural das empresas: Adama; Bayer CropScience; Beta Renewables; Camda; Deloitte; DNV-GL; Double TT do Brasil; Esco; FMC; b>Fertiláqua; GE; Helamin; John Deere; Mercedes-Benz; Netafim; Odebrecht Agroindustrial; Organasolví; Raízen; Randon - Megatec; Solenis; Syngenta; Totvs e Valtra.


Apoio Institucional

O evento conta ainda com o apoio institucional da Abag; Alcopar/Sialpar/Siapar; Biosul; CeiseBR; CTBE; Datagro; Fórum Nacional Sucroenergético; Orplana; Siamig; Sifaeg; Sindaçúcar/AL; Sindaçúcar/PE, Sindaçúcar/PI; Sindalcool/MT; Sindalcool/PB; Sindicanálcool; Sindaçúcar/BA; SindiEnergia; SindiQuímicos; Sonal; Unica e UNIP.


Mídia parceira

Atuam como mídia parceira desta edição o Revista Amazônia; Canal - Jornal da Bioenergia; a revista CanaOnline; a Revista Canavieiros; o Jornal Paraná; a Revista Opiniões e a Terra&Cia CanaMix.


Serviço

10º Congresso Nacional da Bioenergia
Data: 22 e 23 de novembro
Local: UNIP - Universidade Paulista - Campus de Araçatuba
Avenida Baguaçu, 1939 - Jardim Alvorada, Araçatuba/SP
Inscrições: na página do Congresso no portal da UDOP (clique aqui)
Programação: clique aqui
Mais informações: (18) 2103-0528 ou