Previsão de menos cana e atraso no início da safra 2018/19 na região Centro-Sul

A safra canavieira de 2017/18 só será fechada em 31 de março de 2018, mas as atenções já se voltam para o ciclo 2018/19, é que o cenário do canavial que está em desenvolvimento e começará a ser colhido a partir de 1 de abril de 2018, está longe de ser o ideal.

De acordo com Plínio Nastari, presidente da Datagro Consultoria, a estiagem ocorrida entre junho e final de setembro provocou atraso e grande morte das soqueiras. Além disso, a seca e a palhada no solo formaram um ambiente propício para a propagação de incêndios nos canaviais, muitos deles queimaram as socas de tal maneira que mataram a cana. Com isso, para cobrir as falhas, que em muitos canaviais aparecem em grande quantidade, usinas e produtores estão realizando o replantio.

Nastari relatou mais dois fenômenos registrados nos canaviais da região Centro-Sul, um deles aponta que em muitas áreas a cana apresenta colmos curtos, e a medida tomada por muitos, para tentar sanar o problema, foi passar a roçadeira no canavial, para que brote novamente. O consultor também observa que em grande parte dos canaviais, a cana não apresenta variações de tamanho, está nivelada e para baixo.

Frente a esse quadro, a expectativa da Datagro é que a moagem de cana pelo Centro-Sul na temporada 2018/19 deve cair para 580 milhões de toneladas, de 601 milhões na safra vigente de 2017/18, volume que, por sua vez, já é inferior na comparação com o do ciclo passado, de 617 milhões de toneladas.

Além de menos cana, a previsão da Datagro, até o momento, é que haverá atraso no início da safra 2018/19, pois o canavial, em decorrência do replantio das falhas, por ter sido podado e pelo atraso no desenvolvimento, não terá condições propicias para ser colhido no início de abril, além disso, a quantidade de cana bisada será mínima.

Fonte: CanaOnline