Entressafra da cana-de-açúcar deixa postos sem álcool e motoristas reclamam

Em um ano, o preço da gasolina ficou quase R$ 1 mais alto. Em janeiro de 2017, o produto podia ser encontrado por R$ 3,66 e este ano chega a R$ 4,51. Com tantos aumentos, muitos motoristas buscam abastecer com o etanol para tentar economizar, mas está sendo difícil encontrar o produto nos postos de combustíveis de Palmas.

Nesta semana, um novo reajuste, de 0.7% foi anunciado para a gasolina foi anunciado. "Cada vez que eu vou tem sido uma surpresa. A gente não consegue mais ter um preço exato da gasolina para fazer uma projeção de quanto vai gastar", reclamou o funcionário público, Bruno Camargo.

A última pesquisa feita pelo Procon apontou que pelo menos 10 postos de combustível em Palmas estavam sem o etanol no dia do levantamento. A justificativa dos empresários seria a baixa procura, mas agora com o preço da gasolina aumentando constantemente, o álcool deve voltar às bombas.

"Vendo o aumento da gasolina, a gente percebeu que era viável para o consumidor ter as duas opções”, comentou a gerente de um posto da capital, Sandra Rais.

Embora os postos não sejam obrigados a vender o etanol, precisam seguir regras. "Uma vez que ele sinaliza que existe esse produto no estabelecimento, ele tem que fornecer. O consumidor que se sentiu lesado pela precariedade da informação. Pode ligar no 151 do Procon e fazer a denúncia, ou registrar uma reclamação na Agência Nacional de Petróleo", explicou Liliane Borges.

Por telefone, o presidente do sindicato dos postos do Tocantins, Wilber Silvano de Sousa Filho, disse que o etanol está mais caro por causa do período de entressafra da cana de açúcar e porque o estoque do combustível é baixo. Além disso, o clima quente no estado aumenta a umidade nos tanques e pode interferir na qualidade do combustível.