Conecte-se conosco
 

Últimas Notícias

Tarifas dos EUA para importação de açúcar levam indústrias a investirem no Canadá

Publicado

em

Empresas como Hershey, Mondelez e Blommer Chocolate têm expandido as operações no país vizinho aos EUA diante da grande diferença em relação aos preços internacionais do açúcar

 

No último outono, a Hershey recomprou uma fábrica nos arredores de Ottawa que havia fechado há mais de uma década. A Blommer Chocolate, uma rival norte-americana, está se expandindo em Ontário enquanto fecha uma fábrica de 85 anos em Chicago. A Mondelez International, fabricante do Oreo, diz que investiu US$ 250 milhões em instalações de fabricação em Ontário apenas nos últimos anos.

Embora o Canadá seja frio demais para produzir açúcar suficiente para seu setor de doces, o país conseguiu atrair centenas de milhões de dólares em investimentos nos últimos anos para expandir sua capacidade de produção. Parte disso pode ser atribuída ao aumento da população, mas muitos no setor dizem que são as medidas protecionistas de longa data em vigor nos Estados Unidos que estão aumentando o apelo do Canadá.

“Os altos preços do açúcar nos Estados Unidos a longo prazo são o motor da produção de chocolates e doces no Canadá”, disse o economista agrícola e consultor baseado em Quebec, Sébastien Pouliot.

O setor açucareiro dos EUA é fortemente protegido e os compradores, como confeiteiros e fabricantes de alimentos processados, só podem importar determinadas quantidades de açúcar bruto e refinado antes de incorrer em pesadas tarifas de importação.

A regulamentação tem como objetivo proteger os lucros dos agricultores americanos e evitar que outros países inundem o mercado americano com açúcar importado. Mas os críticos dizem que isso também mantém os preços do açúcar nos EUA artificialmente altos, sobrecarregando os custos das empresas de doces e refinarias americanas que tentam operar em casa.

Em 2013, a diferença entre os preços do açúcar nos EUA e no mundo era de apenas alguns centavos por libra-peso. Mas os desafios de produção no país e no vizinho México levaram os futuros do açúcar dos EUA a subir a quase o dobro do preço de referência global.

Isso torna cada vez mais atraente para as empresas fabricarem doces e biscoitos no Canadá e, em seguida, enviar parte de sua produção para os consumidores dos EUA.

Muitos desses produtos acabados podem entrar nos EUA e evitar as cotas que ditam o comércio mais “rigidamente gerenciado” de açúcar refinado e bruto, disse o líder de projeto da empresa de consultoria Agralytica, Alex Smith.

O crescimento da indústria canadense “é um resultado direto do preço que está muito além de qualquer nível razoável nos EUA”, afirma o presidente da Sweetener Users Association, Rick Pasco, que tem pressionado por reformas na política comercial de açúcar dos EUA. “Estamos pagando duas vezes mais pelo açúcar. Isso é um grande estímulo para as operações no exterior, sendo o Canadá o país mais próximo”, completa.

O volume de açúcar contido nos produtos acabados que fluem do Canadá para os EUA no último ano comercial foi o mais alto em quase duas décadas, segundo dados da Agralytica. No ano passado, US$ 1,98 bilhão em chocolate e US$ 615 milhões em outros produtos de confeitaria de açúcar foram enviados do Canadá para os EUA para consumo – ambos os valores mais altos de todos os tempos.

Toda vez que a Lei Agrícola dos EUA é reautorizada (o que deve acontecer este ano), os críticos das políticas de açúcar do país fazem lobby por mudanças nas cotas de importação.

Eles ganharam nova munição em outubro, quando a análise do programa feita pelo US Government Accountability Office constatou que ele custa mais aos consumidores americanos do que beneficia os produtores, resultando em uma perda econômica líquida estimada em até US$ 1,6 bilhão por ano.

A agência também afirmou em seu relatório que as políticas podem incentivar as empresas a se mudarem para o exterior, inclusive para o Canadá.

O preço mais barato do açúcar é “a principal diferença” entre ter operações no Canadá e nos EUA, disse o membro sênior do Peterson Institute for International Economics, Gary Hufbauer. “Não acho que exista segredo em relação a isso”, afirma.

O açúcar não é o único custo de insumo para a fabricação. Fundador de uma consultoria que ajuda empresas a selecionar locais de instalação, John Boyd também aponta a força de trabalho, os custos de energia e a taxa de câmbio do Canadá como fatores a serem considerados. E nem todo o açúcar e os doces produzidos no Canadá estão indo para os EUA.

A população do Canadá tem aumentado constantemente e o consumo de açúcar no país deve atingir uma quantidade recorde no ano comercial de 2024/25 em registros que remontam a 1960. Ainda assim, seu consumo de açúcar é inferior a 14% do que é consumido pelo vizinho, segundo dados do Departamento de Agricultura dos EUA.

Os investimentos no setor de confeitaria do Canadá não significam que os fornecedores ainda não estejam jogando a toalha nos EUA. Além de sua expansão canadense de US$ 60 milhões, a Blommer também investirá um total de US$ 40 milhões para atualizar as instalações de suas unidades na Pensilvânia e na Califórnia, enquanto a Hershey está construindo sua primeira nova fábrica de chocolate nos EUA em mais de 30 anos.

Em maio passado, a Mondelez inaugurou um centro de pesquisa e desenvolvimento em Nova Jersey que custou quase US$ 50 milhões. Os porta-vozes da Blommer, Mondelez e Hershey não responderam aos pedidos de comentários.

Mas, para empresas com instalações mais antigas que exigem grandes investimentos, faz sentido atravessar a fronteira e instalar uma nova unidade no Canadá, segundo Pouliot, o consultor em Quebec. Como o Canadá produz mais doces, as refinarias de açúcar do país também estão aumentando a capacidade.

A Redpath Sugar, parte do ASR Group, acaba de aumentar a produção anual de sua refinaria em Toronto em 65 mil toneladas, enquanto a Lantic, subsidiária da Rogers Sugar, investiu US$ 102 milhões para aumentar a capacidade de sua fábrica em Montreal em 100 mil toneladas. Já a Sucro Can Sourcing, sediada na Flórida, está investindo US$ 98 milhões para construir a maior refinaria de açúcar do Canadá, com capacidade para processar até 1 milhão de toneladas por ano.

“Não quero criticar a falta de liquidez do mercado interno dos EUA, mas eu diria que é um ambiente muito mais acolhedor para o fornecimento de açúcar do mercado mundial”, disse o vice-presidente e chefe de negociação da Sucro, Oliver Hire. “O Canadá é um lar bastante amigável para a realocação dessas instalações de produção”, completa.

Bloomberg/Ilena Peng

Cadastre-se e receba nossa newsletter
Continue Reading