Compartilhar

Dois homens de 19 e 31 anos foram encontrados mortos em uma usina de produção de açúcar em Santa Helena de Goiás, na região sudoeste do estado. Uma vítima estava dentro da indústria, próxima a uma área de carregamento, e a outra foi encontrada em um canavial.

A usina Cambuí lamentou a morte dos colaboradores e informou, em nota, que “está colaborando com a polícia” (leia íntegra ao final). Os dois funcionários foram achados mortos no sábado (26).

A princípio, a Polícia Civil foi chamada para atender a uma ocorrência de um homem encontrado morto dentro da usina. Ele tinha marcas de tiros na cabeça. Depois, a equipe encontrou a segunda vítima, que tinha ferimentos causados por tiros e facadas.

A polícia informou que dois homens em uma moto estiveram na usina no dia dos homicídios e são apontados como os principais suspeitos. No entanto, não há informações sobre a identidade deles.

O delegado Thiago Latorre disse que pediu imagens de câmeras de segurança do local para ajudar a esclarecer como as mortes ocorreram. Uma perícia já foi realizada no local.

Desentendimento em casa de prostituição

Segundo a Polícia Civil, o homem que foi encontrado morto em um canavial teve um desentendimento em uma casa de prostituição e recebeu ameaças de morte. A polícia trabalha suspeita que a briga esteja relacionada com o homicídio.

Já sobre o primeiro funcionário encontrado morto, os policiais acreditam que a morte não está vinculada ao desentendimento, mas que ele foi vítima por estar na companhia do colega que recebeu as ameaças.

Polícia investiga homicídios em usina de açúcar em Santa Helena de Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Polícia investiga homicídios em usina de açúcar em Santa Helena de Goiás — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

 

Nota da usina Cambuí

A usina Cambuí lamenta profundamente a ocorrência deste duplo homicídio de seus colaboradores em sua propriedade rural. Informa que não tem suspeitos e que está colaborando com a polícia nas investigações e espera que em breve tudo seja esclarecido e os responsáveis sejam punidos conforme nossa legislação.

Cadastre-se em nossa newsletter