Conecte-se conosco
 

Últimas Notícias

La Niña tem 65% de chance de ocorrer de julho a setembro, diz órgão dos EUA

Publicado

em

Há 65% de chance de que o padrão climático La Niña, caracterizado por temperaturas frias no Oceano Pacífico, desenvolva-se entre julho e setembro, informou um especialista do governo dos Estados Unidos nesta quinta-feira, 13.

Espera-se que essa mudança da atual fase neutra entre os padrões climáticos La Niña e El Niño persista ao longo do inverno do hemisfério norte de 2024/25, com 85% de chance entre novembro e janeiro, informou o Centro de Previsão Climática (CPC) do Serviço Nacional de Meteorologia em sua previsão mensal.

Dependendo da região, o ciclo entre El Niño, La Niña e uma fase neutra geralmente dura de dois a sete anos e pode gerar incêndios florestais, ciclones tropicais, enchentes e secas prolongadas, afetando os agricultores em todo o mundo.

As culturas geograficamente concentradas são mais suscetíveis a aumentos de preços durante condições climáticas ruins. Isso faz com que os preços globais do trigo e do milho tenham menos probabilidade de serem afetados pelos fenômenos, disse o economista sênior de clima e commodities da Capital Economics, Bill Weatherburn.

O El Niño é um aquecimento natural das temperaturas da superfície do Oceano Pacífico central e oriental, enquanto o La Nina é caracterizado por temperaturas mais frias na região do Pacífico equatorial.

“O La Niña está correlacionado com o clima quente e seco na América do Norte (Meio-Oeste dos EUA), Ásia Oriental (China) e partes da América do Sul (Argentina e partes do Brasil) durante a estação de desenvolvimento”, disse o meteorologista da Maxar, Chris Hyde.

No entanto, para as culturas estabelecidas na África do Sul (milho), o sul e o sudeste da Ásia (cana-de-açúcar e trigo da Índia) e a Austrália, o La Niña é favorável devido ao alto índice pluviométrico e pode contribuir para o bom desempenho das culturas, além dos riscos de inundação, disse o analista meteorológico sênior do London Stock Exchange Group, Isaac Hankes.

Os especialistas em clima observam que essas correlações são influenciadas pelo momento e pela intensidade do La Niña.

Outras agências, como a Organização Meteorológica Mundial (OMM) e a agência meteorológica do Japão, também observaram o fim do fenômeno El Niño e previram a formação do La Niña para este ano.

Para a Índia, a mudança do El Niño para o La Niña provavelmente trará uma monção mais úmida, mas outro fenômeno chamado IOD (Indian Oscillation Dipole) pode influenciar a intensidade das chuvas, disse o meteorologista internacional líder da AccuWeather, Jason Nicholls.

Um evento IOD positivo leva a uma monção de verão mais úmida, enquanto um evento IOD negativo leva a menos umidade e condições mais secas, acrescentou Nicholls.

Reuters/Harshit Verma

Cadastre-se e receba nossa newsletter
Continue Reading