Compartilhar

Os preços do açúcar nas bolsas internacionais fecharam mistos na última sexta-feira (23) após baterem a marca de 17 cents por libra-peso durante o dia na ICE de Nova York. No fechamento da sessão, os contratos com vencimento maio/21 fecharam praticamente estáveis, cotados em 16,91 centavos de dólar por libra-peso, pequena variação negativa de 1 ponto no comparativo com a véspera. Já os contratos para julho/21 fecharam estáveis, em 16,88 cts/lb. As demais telas subiram entre 3 e 7 pontos.

Segundo a Agência Reuters, operadores disseram que o açúcar segue com bom suporte, diante das perspectivas de safras reduzidas no Brasil e na União Europeia. “O Citibank reduziu sua previsão para o excedente de açúcar em 2021/22 a cerca de 2,9 milhões de toneladas, 22% abaixo da estimativa de março, devido especialmente à diminuição nas expectativas para a safra brasileira. O banco vê os preços em média de 16,2 centavos no segundo trimestre”, disse a Reuters.

Açúcar branco

Em Londres, o açúcar branco fechou a sexta-feira no vermelho em quase todas as telas, com exceção apenas para os contratos de dezembro/22, que subiram 6,40 dólares. As telas de maior liquidez foram firmadas em US$ 461,20 e US$ 456,00 a tonelada, nos vencimentos agosto e outubro/21, desvalorização de 1,20 e 1,80 dólar, respectivamente.

Queda na produção

Segundo análise semanal do diretor da Archer Consulting, Arnaldo Luiz Corrêa, “circulou rapidamente nos grupos de WhatsApp durante a semana a previsão de safra de cana de uma trading de açúcar que assustou alguns participantes.

O número divulgado pela empresa mostrava uma queda brusca na produção do Centro-Sul para 530 milhões de toneladas de cana, uma contração de 12.5% em relação à safra 2020/21, recém findada.

Se essa previsão se confirmar, terá sido a maior queda de produção de cana dos últimos 20 anos, sendo apenas superada pela redução de mais de 22% ocorrida na safra 2000/2001 provocada pelos preços baixos do açúcar no ano anterior, que obrigaram as usinas a abandonar os cuidados na lavoura e a renovação anual de 15% do canavial por completa falta de caixa”.

Ainda segundo Corrêa, o sentimento altista vivenciado pelo mercado foi reforçado por notícias de que um experiente agrônomo acredita que “a seca do ano passado e as chuvas erráticas do verão, além do nível pluviométrico abaixo da média em março e abril vão contribuir para uma quebra expressiva de 50 milhões de toneladas no Centro-Sul, corroborando com as previsões da citada trading. Os altistas se abraçam e comemoram”.

Açúcar no Brasil 

No mercado interno a sexta-feira foi marcada por alta no Indicador Cepea/Esalq, da USP, para o açúcar cristal. A saca de 50 quilos foi negociada em R$ 111,00 alta de 40 centavos de Real no comparativo com a véspera, ou 0,36%. No mês o indicador apresenta alta de 6,58%.

Cadastre-se em nossa newsletter