Compartilhar

A produção de açúcar na região Centro-Sul do Brasil deve totalizar 2,671 milhões de toneladas na primeira quinzena de setembro,  o que representa uma queda de 16,7% no ano. 

De acordo uma pesquisa com 10 analistas da S&P Global Platts, o esmagamento da cana é estimado em 34,8 milhões de toneladas a 42,4 milhões de toneladas. A estimativa média é de moagem total de cana de 38,8 milhões de toneladas, queda de 13,2% no ano.

“O esmagamento da cana provavelmente dará sinais de desaceleração na primeira quinzena de setembro devido às expectativas de que algumas usinas já pararam de produzir para o ano-safra”, disse um analista da S&P Global Platts Analytics.

A proporção da cana utilizada para a produção de açúcar deve ser de 46,1%, ante 47,3% um ano antes. Embora os produtores brasileiros tenham aproveitado os recentes altos preços do etanol hidratado e anidro, as expectativas de longo prazo são de que as usinas continuem a maximizar sua produção de açúcar, dada a maior lucratividade em relação ao etanol.

“Os dados de agosto da UNICA não trouxeram nenhuma surpresa ao mercado, mas setembro pode ter algumas surpresas se as usinas começarem a fechar mais cedo para a safra”, disse a Platts Analytics.

A produção total de etanol da cana-de-açúcar deve ser de 2,07 bilhões de litros, uma redução de 10,8% em relação ao ano anterior.

A produção de etanol hidratado da cana era estimada em 1,12 bilhão de litros, de acordo com a média das respostas dos analistas à pesquisa. Isso seria uma queda de 25,2% ano a ano. A produção de etanol anidro de cana na primeira quinzena de setembro é esperada em 820 milhões de litros, um aumento de 16,4% em relação ao ano anterior, de acordo com o levantamento.

A produção total de etanol de milho deve ser de 130 milhões de litros, um aumento de 7,4% ano a ano. A produção de etanol hidratado é estimada em 89 milhões de litros, um aumento de 18,5% ano contra ano, e a produção de etanol anidro na primeira quinzena de setembro é de 41 milhões de litros, uma redução de 10,4% em relação ao ano anterior.

Cadastre-se em nossa newsletter