Agrovale é um dos maiores geradores de empregos da Bahia

No saldo de contratações com carteira assinada, a Agrovale teve relevante contribuição na geração de empregos e renda para a região em 2019, especificamente entre os meses de janeiro a outubro, quando gerou 1.679 novos postos de trabalho,

Agrovale/Divulgação

A Agrovale foi a empresa que mais contribuiu para as conquistas no segmento de geração de empregos na cidade de Juazeiro, BA. As informações foram divulgados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego.

A usina Agrovale tem ajudado a colocar Juazeiro como o município que mais gerou empregos na Bahia. Os números foram anunciados na última quarta-feira, 27, e de um total de 4.273 empregos de carteira assinada o segmento da agricultura, tendo à frente a Agrovale, responde com 1.757 ficando a indústria, em segundo com 1.510 e o de serviços com 1.127.

LEIA TAMBÉM

Para consumidores, uso de etanol gera economia de R$ 5,8 bilhões

Uisa encerra a safra 2019/2020 como moagem recorde

Ampliando sua participação, ano a ano, no saldo de contratações com carteira assinada, a Agrovale teve relevante contribuição na geração de empregos e renda para a região em 2019, especificamente entre os meses de janeiro a outubro, quando gerou 1.679 novos postos de trabalho, iniciando o ano com 3.091 colaboradores e findando o mês de outubro com 4.770. Esses dados correspondem a 39,3% dos 4.273 empregos de carteiras de trabalho assinadas em Juazeiro, conforme o último levantamento divulgado.

Segundo Denisson Flores, diretor vice-presidente da empresa, o anúncio do Caged completa o balanço positivo da Agrovale em 2019, que obteve uma produção média de 120 t de cana por hectare, 2,4 milhões de sacos de açúcar, com 50 kg cada,80 milhões de l de etanol e a geração de 20,000 MW de energia a partir do bagaço da cana.

“Comemoramos também em outubro deste ano a conquista de duas importantes condecorações: o Prêmio Reconhecimento das Boas Práticas da Aprendizagem Profissional, concedido pelo Fórum Baiano de Aprendizagem Profissional – FOBAP e o Selo das Boas Práticas da Aprendizagem Profissional conferido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – SENAR, BA”, concluiu.