Centro-sul processa 20,34 mi de t de cana na 1ª quinzena de novembro, diz Unica

As usinas do Centro-Sul do Brasil, principal região produtora de cana-de-açúcar do mundo, processaram 20,34 milhões de toneladas do produto na primeira metade de novembro, aumento de 2,24% sobre o volume em igual quinzena da safra anterior 2019/2020. As informações são da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica), em relatório quinzenal, divulgado nesta quarta-feira.

O diretor Técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, destaca no relatório que “em São Paulo a moagem de 350,06 milhões de toneladas registrada até 16 de novembro já supera a moagem total de 332,13 milhões de toneladas verificadas na safra 2019/2020”.

A qualidade da matéria-prima processada na primeira quinzena de novembro, mensurada a partir da concentração de Açúcares Totais Recuperáveis (ATR), aumentou 4,55%, atingindo 153,56 kg por tonelada em 2020 ante 146,88 kg verificados na mesma quinzena da safra passada.

Conforme a Unica, em relação ao número de usinas em operação, 80 empresas encerraram a moagem na primeira quinzena de novembro. No acumulado, já são 147 unidades com a safra 2020/2021 encerrada, ante 126 verificadas no mesmo período de 2019. Para a próxima quinzena, outras 67 empresas devem finalizar as operações do atual ciclo agrícola.

As empresas que já finalizaram a safra 2020/2021 registraram um aumento de 1,40% na moagem de cana-de-açúcar e um crescimento de 7,10% na quantidade de produtos fabricados em comparação com o valor total observado no ciclo 2019/2020.

A Unica observa que, em decorrência da maior moagem, da melhor qualidade da cana-de-açúcar e do mix mais açucareiro, a produção de açúcar aumentou 57,02% nos 15 primeiros dias de novembro, com 1,24 milhão de toneladas fabricadas neste ano.

Como reflexo, 46,49% da cana-de-açúcar foi destinada à produção de açúcar até o dia 16 de novembro, ante 34,80% registrados na mesma data de 2019. A despeito desse fato, na safra 2020/2021 a maior parte da cana-de-açúcar processada (53,51%) continua a ser direcionada para a fabricação de etanol.

O volume de etanol fabricado na quinzena, por sua vez, registrou queda de 9,58% com um total de 1,18 bilhão de litros no início de novembro. Desse total, o volume de etanol anidro aumentou 16,77%, atingindo 498,77 milhões de litros. A produção quinzenal de hidratado apresentou queda de 22,41%, totalizando 680,91 milhões de litros.

“O aumento na produção de etanol anidro na quinzena retrata o esforço das empresas, que continuam
priorizando a fabricação do produto para o suprimento dos próximos meses”, explicou Rodrigues.

Em relação ao etanol de milho, foram fabricados 114,53 milhões de litros na primeira metade de novembro de 2020. No agregado desde o início da safra 2020/201 até 16 de novembro, a produção somou 1,52 bilhão de litros, com um aumento de 87,42% sobre o volume apurado para o mesmo período de 2019.

“A produção de etanol de milho tem apresentado crescimento e deve ampliar a oferta do biocombustível nos próximos meses de entressafra da cana”, acrescentou o executivo da Unica.

Acumulado

No acumulado desde o início do ciclo 2020/2021, em abril, até 16 de novembro, a moagem somou 585,73 milhões de toneladas de cana – crescimento de 3,69% no comparativo com o mesmo período do último ciclo agrícola.

No acumulado, a qualidade da matéria-prima processada alcança 145,17 kg de ATR por tonelada, com aumento de 4,29% em relação ao valor da safra 2019/2020. Mesmo com a safra 2020/2021 ainda em curso, o valor total de produto gerado é o maior de toda série histórica, atingindo 85,03 milhões de toneladas de ATR até 16 de novembro, diz a Única.

No agregado desde o início da safra, a produção de açúcar atingiu 37,66 milhões de toneladas, ante 26,07 milhões de toneladas em igual período de 2019, alta de 44,46%.

No acumulado desde o início da safra até 16 de novembro, a produção de etanol alcançou 28,29 bilhões de litros, dos quais 19,25 bilhões de litros de etanol hidratado e 9,05 bilhões de litros de etanol anidro.