Compartilhar

A produção de energias renováveis no Brasil pode potencializar a produção industrial. Essa é a opinião Evandro Gussi, durante seminário promovido pela Frente Parlamentar de Energia Renovável (FER), nesta quarta-feira (18), em Brasília.

“Temos todas as condições de deslocar o centro gravitacional da produção industrial do mundo para o Brasil. Aqui nós temos inúmeras rotas energéticas disponíveis que não são concorrentes, pelo contrário, são complementares. Nenhum lugar no mundo tem tanta condição de trabalhar isso, de fazer a oferta energética sustentável como o nosso país tem”, afirmou o presidente da  Unica.

O evento teve como objetivo debater o potencial de geração de energia elétrica renovável e a importância do biogás e do biometano para descarbonização da matriz energética.

Durante o seminário, o Presidente da FER, deputado Danilo Forte, reforçou a importância de avanços e modernização na regulação para o setor energético nacional e que está elaborando um Novo Marco Legal para concentrar os principais pleitos do setor no Congresso Nacional.

“Atravessamos uma crise energética e precisamos, como representantes do poder legislativo, de uma proposta clara de regulação”, disse o parlamentar.

O presidente da Frente Parlamentar do Setor Sucroenergético, deputado Arnaldo Jardim, destacou a importância do evento para transformar o biogás em uma realidade cada vez maior e presente no território nacional.

“O biogás pode contribuir para diversificação da matriz e para a sustentabilidade da segurança energética”, reforçou.

Segundo o presidente da Associação Brasileira do Biogás (Abiogás), Alessandro Gardemann, a iniciativa ressalta uma visão de futuro descarbonizada, competitiva e aproveitando a eficiência e o potencial que o agronegócio tem.

“O Brasil fez um trabalho enorme na criação de uma matriz energética renovável e chegou a hora de fontes renováveis despacháveis. Temos certeza absoluta de que o biogás é parte dessa solução”, afirmou.

Para o diretor executivo da Associação de Indústria de Cogeração de Energia (Cogen), Newton Duarte, o biogás deverá se tornar mais um elemento importante para o setor sucroenergético.

“Desnecessário dizer a importância das energias renováveis. Nós somos privilegiados, seja energeticamente, seja eletricamente, e o biogás dará uma contribuição adicional importantíssima. Além de açúcar, etanol e bioeletricidade, o biogás se tornará um elemento chave para o setor de açúcar e etanol, essa indústria tão importante.

O seminário foi realizado com apoio da UNICA, da Abiogás e da Cogen, e também contou com a participação do presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, deputado Sergio Souza; do presidente do Instituto Pensar Agro (IPA), Nilson Leitão; do presidente da Frente Parlamentar da Bioeconomia, deputado Paulo Ganime; do diretor geral da Aneel, André Pepitone; do presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Thiago Barral; do Secretário de  Política Energética do Ministério de Minas e Energia, Paulo Cesar Domingues; do Secretário de Qualidade Ambiental do Ministério do Meio Ambiente, André França; do coordenador geral de etanol do MME, Marlon Arraes; da Coordenadora Geral de Fiscalização de Regimes Automotivos na Ministério da Economia, Margarete Gandini e do coordenador geral de Agregação de Valor do Ministério da Agricultura, Gustavo Goretti.

Cadastre-se em nossa newsletter