Compartilhar

Aumento do preço do etanol deveu-se à seca, que prejudicou a safra e fez muitas usinas esperarem ao máximo a maturação da cana, antes de levá-la à moagem

A disparada do preço do etanol nas bombas de combustíveis, nos últimos meses, em Minas, foi provocada pelo atraso na entrega do produto, devido à menor produção. Segundo dados do Sindicato das Indústrias de Fabricação do Álcool do Estado de Minas Gerais (Siamig), a produção de cana de açúcar no Estado em 2021 será de 65 milhões de toneladas, contra 70,8 milhões no ano passado.

“Tivemos um aumento do preço, pois a nossa safra foi prejudicada pela seca e muitas usinas estão esperando ao máximo a maturação da cana de açúcar para levar à moagem. No entanto, com o aumento da produção, o valor para o consumidor deve diminuir”, afirma Campos.

Atualmente, o litro do etanol é revendido pelas usinas para as revendedoras por R$ 2,90. De acordo com projeções do Siamig, o consumo do combustível deve ter uma elevação de 4% em 2021 em relação a 2020, após registro de queda de 6,8% na adoção do produto, de 2019 para o ano passado.

O percentual, contudo, poderia ser bastante ampliado se a carga tributária aplicada ao consumidor final fosse reduzida.

Com isso, os preços certamente cairiam nas bombas dos postos de todo o território mineiro e o produto ganharia competitividade em relação à concorrente gasolina. “O etanol é um combustível bem aceito, ecologicamente mais limpo do que outras fontes e poderia ser uma solução, se a carga tributária incentivasse o consumo em todo o país. Infelizmente, isso só acontece em alguns estados”, explica Campos.

Cadastre-se em nossa newsletter