Compartilhar

Fora do mundo da tecnologia, poucos setores se recuperaram dos efeitos da pandemia tão rapidamente quanto o de açúcar e etanol, coloca em pauta a XP Investimentos. Em uma usina, a cana-de-açúcar tem dois destinos: ser processada em etanol ou transformada em açúcar.

Portanto, a dinâmica se desenha a cada safra, o usineiro tem que fazer a escolha e “virar a chave” e optar se quer focar um pouco mais no açúcar ou um pouco mais no etanol.

E, justamente com o sentimento de auge do ciclo de açúcar e etanol, a corretora inicia a cobertura da Jalles Machado (JALL3), produtora de ambos produtos, recém chegada à B3 (B3SA3).

“Referência em termos de produtividade agrícola e maior exportadora de açúcar orgânico do mundo, a Jalles ainda conta o fato de 1/3 de suas receitas virem de produtos não-commoditizados, se afastando do perfil tradicional das usinas e mitigando a volatilidade típica do setor”, pontuam os analistas Leonardo Alencar, Larissa Pérez e Marcella Ungaretti, que assinam o relatório.

O trio da XP calcula um potencial de valorização superior a 80% versus o preço atual da ação e de mais de 50% considerando o preço da oferta pública inicial da empresa.

A corretora relembra que, desde o IPO em março, o preço das ações caiu cerca de 16%, performando significativamente abaixo do Ibovespa (IBOV), que caiu aproximadamente 4%.

“De acordo com nossas estimativas, JALL3 é negociado a 3x EV/EBITDA 2021, bem abaixo de sua concorrente listada mais comparável, a São Martinho (SMTO3), que é negociada a cerca de 5,3x — na média do consenso, desde o início do ano”, explica o time.

Espera-se que o desconto da Jalles ante a São Martinho seja reduzido ao largo do horizonte, uma vez que há confiança com a capacidade da empresa goiana de entregar resultados saudáveis no longo prazo.

Existe também espaço para um gatilho interessante de curto prazo, com a reação positiva do mercado aos resultados do ano-safra 2020/21, à medida que deve ser uma das melhores safras da história da empresa, “ainda não precificada pelo mercado”, aponta a XP Investimentos.

Apesar de a empresa fazer parte de um setor muito sensível em termos do pilar Ambiental, a Jalles Machado está bastante comprometida com a agenda ESG (Environmental, Social and Governance, na sigla em inglês), dado os diversos programas da empresa que visam minimizar os impactos adversos de suas operações de cana-de-açúcar na biodiversidade.

A XP também destaca, que a frente Social, a Jalles possui programas positivos, com destaque para as mais de 14 ações sociais com comunidades locais em 2019.

E como última parte do tripé ESG, a corretora aponta que a governança corporativa da Jalles ainda tem espaço para melhorias tanto na independência como na diversidade no Conselho de Administração da empresa.

Cadastre-se em nossa newsletter