Compartilhar

Nesta semana, entre os dias 23 e 27, representantes da Unica (União da Indústria de Cana-de-Açúcar) e de empresas do setor sucroenergético vão participar de uma missão brasileira à Índia junto ao presidente Jair Bolsonaro, que será o convidado de honra do primeiro-ministro Narendra Modi para as celebrações do Dia da República.

O encontro, que será em Nova Deli, terá uma agenda para a ampliação das relações entre os dois países. O intuito do setor sucroenergético é fortalecer a cooperação técnica e a troca de experiências sobre etanol.

Segundo o diretor executivo da UNICA, Eduardo Leão de Sousa, se quer criar condições para a formação de um mercado global de etanol para que no futuro haja um aumento da comercialização e a ‘comoditização’ do produto.

“Isso só será possível se houver clareza sobre os benefícios dos biocombustíveis e nisso o Brasil é exemplo”, explica o diretor executivo da Unica, que integra a missão como parte do projeto setorial com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

O projeto da Apex-Brasil vai se dar na esfera institucional, com o compartilhamento da experiência de implantação de políticas públicas Brasil ao longo de mais de 40 anos de uso do etanol como combustível, em larga escala; e na técnica, por meio do estreitamento da cooperação com a cadeia produtiva do setor indiano, desde a indústria de bens de capital até a indústria automobilística.

A Índia tem a meta de adotar a mistura de 10% de etanol na gasolina até 2022 e de 20% até 2030, o que trará reflexos positivos socioeconômicos para o meio ambiente, a saúde da população e na balança comercial – mais de 80% dos derivados de petróleo consumidos no país são importados. Em 2019, os produtores indianos disponibilizaram aproximadamente 2,4 bilhões de litros de etanol combustível no mercado interno, atingindo 5,8% de mistura na gasolina. Para efetivar os 10% de participação seriam necessários 5 bilhões de litros do biocombustível.

“A adoção do E10 na Índia será importante não só para reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa e melhorar a qualidade do ar nas grandes metrópoles indianas, como também para oferecer uma alternativa de diversificação de mercado aos quase 50 milhões de produtores de cana do país, que hoje dependem basicamente da produção de açúcar”, complementa Leão.

Agenda do etanol

Os biocombustíveis, em especial o etanol, serão destaque na agenda. No dia 23/01, o evento “Índia-Brasil – Oportunidades em energia e mineração”, promovido pelo Ministério de Minas e Energia, terá as presenças do embaixador brasileiro na Índia, André Aranha Corrêa do Lago, do Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, da Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e do Ministro de Petróleo e Gás Natural indiano, Dharmendra Pradhan. O evento terá apresentação sobre etanol e rodadas de negócios com executivos de empresas como Sterlite Power, ONGC, Tata Power, Adani Transmission, Praj Industries e Indian Oil.

No dia 25, será realizado um fórum de CEOs brasileiros e indianos para debater oportunidades de negócios em diferentes áreas. Na sequência, o Presidente e o Primeiro-ministro assinam um memorando de entendimento na área de bioenergia, com foco em biocombustíveis.

No último dia, 27 de janeiro, haverá um seminário empresarial realizado pela Apex-Brasil. A parte da manhã será dedicada às falas de autoridades e na sequência haverá dois painéis, um deles sobre combustível renovável (“Brazilian Bioenergy Policy: How to build a clean energy matrix”).

Integram a comitiva o diretor executivo da Unica, Eduardo Leão de Sousa, o presidente do Conselho Deliberativo da UNICA, Marcelo Ometto, o diretor para o Brasil da Tereos, Jacyr Costa, o vice-presidente de Logística, Distribuição e Trading da Raízen, Ricardo Mussa, o VP global de commodities da Cofco, Marcelo Andrade, e o gerente de comunicação e relações institucionais da Copersucar, Bruno Alves Pereira.

Cadastre-se em nossa newsletter