2019 tem recorde de usinas com pedido de recuperação judicial

Dados da RPA Consultoria mostram que o Brasil tem hoje 93 unidades em RJ, número que poderá aumentar ainda mais até o término da safra 2019/20.

O ano de 2019 já bate o recorde em número de usinas sucroenergéticas que entraram em recuperação judicial. Até o momento, 21 unidades protocolaram pedidos de recuperação, o que representa 22,5% das usinas brasileiras nesta situação.

O número se consolidou ontem, 19, quando o Grupo Moreno, com 3 unidades, protocolou seu pedido junto à justiça. As 21 unidades correspondem aos grupos Santa Terezinha, com 10 usinas, Atvos que tem 9 unidades, Grupo Moreno, que tem 3 unidades, Usina Itajobi e Londra Agroindustrial.

Das 21 usinas que protocolaram a RJ em 2019:

  • 10 estão no Paraná: 47,6%
  • 3 em Goiás: 14,2%
  • 3 em Mato Grosso do Sul: 14,2%
  • 4 em São Paulo: 19,04%
  • 1 no Mato Grosso: 4,7%
21 unidades pediram RJ em 2019
21 unidades pediram RJ em 2019

2015: RJ em 13 unidades

Dados levantados pela RPAnews, baseados em informações divulgadas pela imprensa nacional ao longo dos últimos 10 anos e pela RPA Consultoria, mostram que 2015 tinha sido o ano com o maior número de unidades em RJ até então.

Foram 13 pedidos naquele ano, protocolados pelo Grupo Renuka, com 4 unidades, 2 em São Paulo e 2 Paraná, Abengoa Bioenergia, com duas 2 unidades em São Paulo, Tonon Bioenergia com 3 unidades, Unialco com 2 unidades, Energética Santa Helena e Usina Rio Verde, em Goiás.

Das 93 unidades hoje com pedidos de RJ, segundo dados da RPA Consultoria, 37 haviam sido solicitados entre os anos de 2008 a 2012 e o restante entre 2013 e 2019.

Leia também:

Grande grupo sucroalcooleiro pede recuperação judicial

Atvos assegura operações e investimentos em plano de recuperação judicial

Grupo sucroalcooleiro de SP anuncia novo plano de recuperação judicial

Mais unidades entrarão em RJ

Dados da RPA Consultoria mostram que o Brasil tem hoje 93 unidades em RJ, número que poderá aumentar ainda mais até o término da safra 2019/20.

“Até o final do ano safra [março de 2020] poderemos ter ao redor de 6 usinas pedindo por recuperação judicial. Ou seja, o olho do furacão dos resultados da longa crise financeira das usinas ainda não terminou”, alerta Ricardo Pinto, sócio-diretor da RPA Consultoria.

 

Cadastre-se em nossa newsletter