Dedini vai quitar dívida com mais de 500 ex-funcionários

Empresa que está em processo de recuperação judicial, vai quitar 95% da dívida trabalhista com o desbloqueio de R$ 14 milhões.

A Dedini Indústrias de Base, que está em processo de recuperação judicial desde 2015, irá quitar 95% do atual quadro de credores trabalhistas (da Classe I – Trabalhista) após liberação de aproximadamente R$ 14 milhões, provenientes do desbloqueio de recursos.

O valor, que já foi remetido ao processo, será rateado para mais de 500 ex-funcionários, com o teto para rateio de R$ 60 mil por credor. Valores inferiores a esse teto terão seus créditos quitados integralmente. A lista de credores trabalhistas que receberão o rateio, tanto concursais como extraconcursais, já se encontra disponível no processo da Recuperação Judicial.

De acordo com a consultora econômica Waléria Araújo, da Siegen, consultoria independente que assessora a Dedini na Recuperação Judicial, a empresa não tem medido esforços para honrar seus compromissos.

A Dedini chegou ao pagamento de 95% do atual quadro de credores trabalhistas com a liberação dos R$ 14 milhões, somados aos R$ 21,5 milhões provenientes da venda do terreno do estacionamento do Shopping Piracicaba, liberados em 2017, e também com os valores que a empresa está cumprindo com os pagamentos mensais previamente definidos no Plano de Recuperação Judicial.

Plano de recuperação

O advogado Júlio Mandel, da Mandel Advocacia – assessoria jurídica da Dedini -, ressalta que a empresa vem cumprindo o plano de recuperação aprovado pelos credores, tanto em relação aos pagamentos a credores trabalhistas, como venda de ativos.

“E cada passo do plano vem sendo acompanhado pela Administradora Judicial Deloitte. As ágeis decisões do magistrado vêm concedendo segurança jurídica às partes, permitindo que a Lei de Recuperação de Empresas seja aplicada com efetividade, propiciando a recuperação de uma empresa viável e tradicional”, avalia.

Entenda

A recuperação judicial foi requerida pelo Grupo Dedini em 24 de agosto de 2015. O deferimento foi publicado em 9 de setembro de 2015, no Diário Oficial do Estado de São Paulo, e o plano de recuperação aprovado em agosto de 2016, durante assembleia com credores.

Em setembro de 2016, a Dedini empresa que há 95 anos é líder no fornecimento de plantas e equipamentos para o setor sucroenergético colocou em hibernação sua unidade de Sertãozinho.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de Sertãozinho e Região, cerca de 700 funcionários foram demitidos pela empresa. A dívida da Dedini está estimada em R$ 300 milhões. (A Cidade)