Bunge deve cancelar oferta inicial de ações

As reuniões dos bancos com investidores sobre a oferta pública inicial de ações (IPO) da Bunge Açúcar e Álcool têm sido desanimadoras e o processo deve ser cancelado nos próximos dias, conforme três fontes. Além da maior volatilidade do mercado, o histórico operacional e a atual cotação do açúcar jogam contra o interesse do investidor. “Para viabilizar a oferta, a companhia teria que aceitar um ajuste brutal de precificação”, diz um executivo próximo à empresa. A Bunge tentava, nesta semana, encontrar um investidor que ancorasse a oferta.

A companhia teve prejuízo no ano passado e no primeiro trimestre deste ano e um excesso de oferta de açúcar tem pressionado os preços no mercado este ano. “A oferta de ações é secundária, sendo que a companhia tentou por anos encontrar um comprador em negociação privada e não conseguiu fechar. Isso pesa”, diz uma fonte.

Um grande gestor destaca o histórico negativo do investidor com Biosev, que atua no mesmo setor. Desde o IPO em 2013, a ação da Biosev desvalorizou quase 80%. A empresa passou por uma reestruturação, com renegociação de dívidas e aumento de capital. Em março, a empresa encerrou o balanço anual da safra 2017/18 com prejuízo líquido de R$ 1,3 bilhão, mais que o dobro da safra anterior. “O investidor desse setor prefere ficar em São Martinho”, diz esse gestor.

Outra empresa em andamento com IPO, a fabricante de eletrônicos Multilaser mantém simultaneamente negociação com dois fundos de private equity para uma captação privada. Quem coordena a negociação é o Citi, segundo o Valor apurou, que também participa da oferta de ações.

Fonte: Valor Econômico