Compartilhar

O mercado de açúcar fechou ontem (18) valorizado nas bolsas internacionais. Em Londres, o açúcar branco, por exemplo, ultrapassou a máxima de quatro anos, impulsionado em parte por fortes ganhos no mercado de matérias-primas e pelos dados que chegam do Brasil com os impactos climáticos adversos.

açúcar branco, negociado na ICE Europe, de Londres, foi contratado ontem, no vencimento outubro/21, a US$ 504,50 a tonelada, alta de 3,10 dólares no comparativo com os preços praticados na terça-feira. Durante a sessão, a commodity chegou a bater 510,30 dólares, máxima desde março de 2017.

Os demais lotes fecharam mistos. Os vencimentos dezembro/21 e março/22 caíram, respectivamente, 50 e 10 cents de dólar, as demais telas fecharam valorizadas entre 70 cents e 2,40 dólares.

Operadores disseram à Reuters que o desconto do primeiro contrato para dezembro diminuiu significativamente nos últimos dias, refletindo em parte uma pausa nas vendas da Índia, à medida que os preços domésticos aumentam no país que mais consome no mundo. “O açúcar branco também estava acompanhando os ganhos recentes no mercado de matérias-primas, que avançou para máxima de quatro anos e meio na terça-feira”.

Açúcar bruto

Em Nova York a quarta-feira também foi de alta. O vencimento outubro/21 foi contratado ontem a 20,17 centavos de dólar por libra-peso, 15 pontos a mais que a véspera, ou 0,7%. Já o lote março/22 subiu, também, 15 pontos, negociado em 20,78 cts/lb. Os demais lotes subiram entre 11 e 24 pontos.

Ontem analistas avaliaram que a Índia pode exportar até 6 milhões de toneladas de açúcar na nova temporada que se inicia em outubro, mesmo sem subsídios do governo, com os preços globais em máximas de quatro anos e meio tornando as vendas ao exterior mais lucrativas. A informação é de autoridades do setor ouvidas pela Reuters.

Açúcar cristal

O mercado doméstico também fechou em forte alta nesta quarta-feira pelo Indicador Cepea/Esalq, da USP, para o açúcar cristal. A saca de 50 quilos foi negociada pelas usinas ontem a R$ 130,95, contra R$ 129,77 praticado na terça-feira, valorização de 0,91%. No mês o indicador já acumula alta de 11,47%.

Cadastre-se em nossa newsletter