Compartilhar

Os preços do açúcar ainda poderão entrar em algum canal positivo, vez ou outra, embolados no petróleo, mas as chances de assegurarem o trânsito de baixas dos últimos dias é bastante provável.

Na terça (19), o açúcar recuou fortemente mais de 2,25%, a 18,91 cents de dólar por libra-peso, seguindo o peso da oferta indiana aumentando, em safra recém-iniciada, e as chuvas no Centro-Sul brasileiro, elevando as chances de melhor desempenho da cana da safra 22/23.

A avaliação é confirmada por Maurício Muruci, da Safras & Mercado. “Um dia tinha que entrar [nos preços]”, brinca ele, fazendo menção à relativa demora de a boa oferta da Índia fazer pressão.

Segundo ele, 36 milhões de toneladas de açúcar são esperadas, embora os produtores locais, através da associação de classe, a Isma, tentarem fazer “o mercado acreditar que será bem menos. Até 30 milhões/t se comentou já”.

E ainda tem a Tailândia, saindo de 7 para 12 milhões/t da commodity também nesta mesma temporada asiática.

Enquanto isso, o Brasil tem no radar chuvas regulares esperadas até dezembro, pelo menos, e já mostra que a próxima safra vá para uns 540 milhões/t, melhorando sobre o panorama da atual, diz o analista.

Em finalização completa e antecipada, o ciclo corrente deverá ficar em torno dos 520 milhões/t, enquanto o anterior bateu em 605 milhões/t.

Cadastre-se em nossa newsletter