Após adiar safra uma semana, Cerradão espera produzir mais de 70% de açúcar

A Cerradão, localizada em Frutal, MG, é uma das unidades sucroenergéticas do Centro-Sul que entrarão na safra 2020/21 depois do planejado. A usina, que inicia sua moagem no dia 06 de abril, deverá destinar um pouco mais de 70% da sua cana-de-açúcar para produção de açúcar.

Segundo o diretor Agrícola da Usina CerradãoFlorêncio Queiroz Neto, em entrevista à RPAnews, a postergação do início da temporada se dá por conta do atraso nas manutenções industriais. “A crise do Coronavírus, que reduziu o quadro de colaboradores de muitas empresas, impactou as empresas prestadoras de serviço. Tivemos atraso na regulagem, aferição e instalação dos nossos equipamentos industriais.”

Apesar da moagem iniciar uma semana depois, a programação é a mesma, segundo Neto. A previsão é moer 3,7 milhões de toneladas. O que muda é o mix, que será 70% açúcar e 30% etanol.

“Temos uma flexibilidade interessante. Quando começou o movimento de melhora de preços do açúcar e a queda do preço do etanol, viramos o mix. Estudamos dar um upgrade na fábrica de açúcar fazendo algumas alterações para chegar até a 73% de açúcar nessa safra”, afirmou à RPAnews.

Além de adiar uma semana a moagem, com a produção maior de açúcar, a Cerradão vai avançar duas semanas a mais em novembro e não mais terminar bem no começo de novembro como estava programado anteriormente.

“Vamos diminuir a moagem diária para aumentar o mix para açúcar. O final da safra vai ter duas semanas a mais do que era a previsão. Houve essa mudança”, disse o diretor Agrícola da Cerradão.

Cuidado com colaboradores

Pensando na proteção de seus colaboradores, a Cerradão desenvolveu uma série de medidas internas de prevenção como, o uso álcool gel na entrada da usina, dos ônibus que fazem o transporte dos funcionários. A desinfecção dos veículos também é feita a cada turno e a temperatura dos colaboradores é medida na chegada da indústria e na entrada dos ônibus.

“Também tomamos a medida de reclusão dos colaboradores de mais de 60 anos ou que tem doenças pré-existentes. Todos do grupo de risco estão em casa, de quarentena”, destaca Neto.

A unidade também desenvolveu um novo refeitório, mais arejado com espaçamento maior entre mesas e também aumentou os horários de refeição para que as pessoas possam ficar mais bem distribuídas. Todas as máquinas e equipamentos são desinfectados após cada turno na indústria também.

“Existe uma série de atividades que estamos fazendo para a segurança dos trabalhadores e tudo tem sido bem aceito. Então, não creio que teremos problemas no decorrer da safra”, afirma o diretor Agrícola da Cerradão.

Safra pior

Diante de um ambiente de muitas incertezas por conta da pandemia do Coronavírus, dos preços internacionais de petróleo e de não saber qual é o real ritmo de recuperação da economia, mas baseado no que existe hoje de projeções a safra 2020/21, Neto acredita que o ano será bem pior do que a safra 2019/20.

“Nós temos hoje projeções de uma queda de 60% no preço do etanol. Mesmo unidades que viraram o mix para o açúcar, o resultado da safra 2020/21 será pior, porque o etanol caiu muito forte e o açúcar recuperou, mas não no nível que tínhamos de remuneração do etanol no ano passado. Estamos orçando os resultados piores para essa próxima safra do que a safra passada”, afirma o diretor Agrícola da Cerradão.

LEIA TAMBÉM: RenovaBio: processo de CBIOs sofre alterações em nova portaria publicada