Doenças do canavial: os impactos do palhiço

A manutenção ou o recolhimento de palhiço nas lavouras de cana-de-açúcar e seus impactos nas doenças do canavial são temas de pesquisas conduzidas pela Embrapa 

Doenças na cana-de-açúcar são parte integrante de qualquer canavial. “Atualmente, estamos lidando com algumas doenças emergentes. Até então elas não vinham causando problemas aos canaviais. Mas que com fim das colheitas realizadas por meio das queimadas, começam a aumentar de importância. Estamos falando de mancha-anelar, podridão-vermelha e pokkah-boeng”, explica o analista da Embrapa Agropecuária Oeste, Alexandre Dinnys Roese.

Diante desse cenário, ele explica que ainda são desconhecidas a relação da presença ou não de palhiço. Além dos possíveis impactos na produtividade dos canaviais.

“As pesquisas ainda não concluíram se a presença ou a retirada do palhiço pode ou não aumentar a presença de determinadas doenças na cana-de-açúcar e a ausência de bibliografia sobre o tema exige um olhar ainda mais atento da pesquisa sobre essa situação”.

A manutenção ou o recolhimento de palhiço nas lavouras de cana-de-açúcar e seus impactos nas doenças do canavial são temas de pesquisas conduzidas pela Embrapa 
A manutenção ou o recolhimento de palhiço nas lavouras de cana-de-açúcar e seus impactos nas doenças do canavial são temas de pesquisas conduzidas pela Embrapa

 

Palhiço: resultados preliminares

Apesar de ainda não possuir conclusões definitivas sobre o assunto, Roese conta que os resultados preliminares demonstraram que a manutenção do palhiço pode aumentar um tipo de doença, porém pode reduzir outras.

“A manutenção do palhiço no solo pode agravar a presença da mancha-anelar. O que causa manchas foliares na cana-de-açúcar e que reduzem a produção de açúcar na cana”, explica o pesquisador. Por outro lado, a ausência de palhiço pode contribuir com aumento de pokkah-boeng e fusariose, que são doenças causadas por fungo de solo.

De acordo com ele, esse fungo é um habitante natural do solo e a manutenção da palhiço no solo favorece a manutenção da vida no solo (fungos e bactérias de controle biológico), assim a tendência é de que existam menos doenças causadas por fungos de solo.

Quanto a podridão vermelha, Roese observou que não houve nenhuma influência em relação a manutenção ou retirada do palhiço do solo, pois essa doença está mais relacionada com ferimentos e com broca da cana.

Roese exemplifica que se o produtor ainda está em tempo de escolher uma variedade de cana que será implantada no campo, e ele sabe que não vai recolher o palhiço, que o mesmo vai continuamente permanecer no solo, o ideal seria optar por cultivares resistentes a manchas foliares.

“Agora se ele já sabe que sempre vai recolher o palhiço, significa que ele terá maiores dificuldades com a manutenção da microbiota do solo. Assim, pode ter mais problemas com fungo de solo”, complementa.

Para ele, seja qual for a situação em relação ao recolhimento do palhiço, o produtor precisa ficar atento. Vendo se a cultivar está tendo ou não manchas nas folhas. Ou ainda se está apresentando algum outro sintoma de doença. Tudo isso deve sempre ser comunicado às empresas obtentoras das cultivares.

O impacto do palhiço no canaviais foi um dos temas abordados no 5º Ciclo de Seminários Agrícolas, realizado no dia 15 de agosto, na Embrapa Agropecuária Oeste. O Seminário é realizado pela Associação dos Produtores de Bioenergia do Mato Grosso do Sul (Biosul), Embrapa Agropecuária Oeste e TCH Gestão Agrícola.