Editorial – CHEFES OU LÍDERES?

Ricardo Pinto

Faz muito tempo que o funcionário se achava descontente e desanimado em função do baixo salário que ganhava. Depois de tomar bastante coragem, ele resolve procurar seu chefe para reclamar:

Chefe, gostaria de dizer que acho que meu salário não está compatível com as minhas aptidões.

Eu sei, eu sei – responde o chefe, impassível, que continua:

Mas não podemos deixar você morrer de fome.

Realmente, nosso amigo acima tirou a sorte grande com o chefe dele. E você, já fez ou ouviu frases do tipo: “Faça do meu jeito!” ou “Quero isso já!” ou ainda “Se não fizer, irá para o olho da rua”? Pois bem, este jeito impositivo de gerir pessoas é típico dos pré-históricos CHEFES. Sim, aquelas figuras que buscam formar “subordinados”, que sempre dão ordens para serem cumpridas perante ameaças e que estão constantemente receosos de seus funcionários não cumprirem o que determinaram.

Ainda há muito CHEFE por aí fingindo que “briga” pela empresa, mas que dirige uma equipe sempre desmotivada, acomodada e de “carneirinhos”. Atingir metas? Pode esquecer. Mas eles são muito bons em desfiar um enorme véu de desculpas. Tudo tem explicação para não ser cumprido…

Contudo, as empresas evoluíram, estão cada vez mais complexas e flexíveis e perceberam que devem buscar um novo tipo de gestor: o LÍDER. Este novo gestor usa ao máximo sua capacidade atuando com inteligência emocional, ouvindo reclamações, aceitando sugestões, dando instruções diretas e claras. Eles são profissionais abertos ao diálogo, à troca de conhecimentos e ao trabalho em equipe, em cooperação. Têm interesse em criar novos líderes, visando um objetivo comum e criando o prazer de buscar o alto desempenho. Os LÍDERES instruem e induzem o andamento dos processos, que passam a ser aceitos por todos como fundamentais para que as metas sejam atingidas. Eles ainda possuem as habilidades de saberem se comunicar e delegar, serem inovadores, terem gosto por assumir riscos e desafios, buscarem fazer o coaching (orientação que o superior dá ao seu colaborador em seu cotidiano de trabalho) e provocarem o empowerment (dar poder para os colaboradores) junto às suas equipes. Enfim, o LÍDER seduz seus liderados e os dirige para o sucesso.

Um LÍDER faz muita diferença numa empresa. Pode haver dúvidas se esta capacidade de liderar é inata ou pode ser aprendida e aperfeiçoada a contento, mas o que podemos afirmar é que as empresas precisam cada vez de mais LÍDERES para dirigirem seus talentos estrategicamente em benefício das próprias empresas, bem como também dos seus funcionários, alcançando excelência e alto desempenho.

E você, já decidiu qual é ou será seu perfil? CHEFE ou LÍDER?