Por dentro da Usina

USINA PROMOVE CAMPANHA DE PREVENÇÃO À INCÊNDIOS E CONSCIENTIZA POPULAÇÃO 

Para contribuir com a prevenção, a Santa Vitória Açúcar e Álcool realizou uma campanha em parceria com a Prefeitura Municipal, Polícias militar, civil e ambiental, Sindicato Rural e o 2º Pelotão de Bombeiros Militar de Ituiutaba. O objetivo da ação foi criar uma rede de comunicação entre os agentes produtivos e fiscalizadores, e ampliar os canais de comunicação com a sociedade. “A campanha espera somar esforços e envolver o poder público, o setor produtivo e a sociedade para evitar ainda mais prejuízos econômicos, sociais e ambientais”, explica Washington Matos, gerente de Segurança, Saúde e Meio Ambiente da SVAA.

Os incêndios, acidentais, criminosos ou de origem desconhecida vêm aumentando constantemente na zona rural. Para combate ao fogo nos canaviais e suporte na região onde atua, a SVAA trabalha com melhoria contínua de sua Brigada de Incêndios, uma das maiores do Triângulo Mineiro. Foram realizadas reuniões e palestras nas escolas, com distribuição de material explicativo, reforçando as causas e consequências dos incêndios e as penalidades relacionadas àqueles que são provocados propositalmente.

Nas palestras realizadas pelo subtenente Soni Henrique F. da Silva, do 2º Pelotão de Bombeiros Militar de Ituiutaba, os estudantes puderam vivenciar, mediante simulações, as sensações de estar meio à um incêndio e as dificuldades do bombeiro no exercício de sua função, diante de uma emergência. “A gente não tem ideia do quanto é difícil e complicado apagar um incêndio, mas ao ouvir as explicações dos bombeiros e sentir a fumaça, vestindo aquela roupa pesada, podemos dimensionar a gravidade da situação”, conclui a estudante do 3º ano da Escola Estadual Prefeito José Franco de Gouveia, Sabrina Castro.   

PENÁPOLIS DEVE GANHAR NOVA USINA DE AÇÚCAR 

A antiga usina Everest, de Penápolis, que teve sua instalação iniciada há mais de 20 anos, mas nunca entrou em operação, enfim deve ser colocada em funcionamento no primeiro semestre de 2019. Pelo menos essa é a promessa feita pelo empresário Roberto Sodré Viana Egreja, que convidou a imprensa local para um café da manhã na sede da empresa para informar que teve início o trabalho de recuperação dos equipamentos e finalização da indústria.

Pelo menos 80 funcionários foram contratados para fazer a manutenção da usina, que passará a se chamar Aliança. A estimativa é de que já no primeiro ano de funcionamento, sejam moídas cerca de 300 mil t de cana-de-açúcar, matéria-prima que deve ser praticamente toda voltada à produção de açúcar.

BUNGE PROMOVE ATIVIDADES PARA CONSCIENTIZAR CAMINHONEIROS SOBRE SEGURANÇA 

A Bunge Açúcar e Bioenergia realizou a Semana do Caminhoneiro. Foram diversas atividades, como palestras, treinamentos e serviços, oferecidas gratuitamente aos motoristas terceirizados que prestam serviço de transporte de cana nas oito usinas da empresa. As palestras abordaram a importância do uso de equipamentos de segurança e a necessidade de atenção à saúde do motorista, com especialistas disponíveis para tirar dúvidas. A empresa também ofereceu revisão veicular, orientação sobre manutenção preventiva e equipamentos, avaliação médica e outras ações.

Mais de 10 mil pessoas participaram das atividades, entre colaboradores da empresa e caminhoneiros e demais profissionais de transportes. Alexandre Vieira, gerente de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Bunge Açúcar & Bioenergia, lembra que segurança é um valor para a empresa, que tem meta de incidente zero. “Sempre orientamos os caminhoneiros a terem atenção redobrada na estrada e incentivamos as melhores práticas em segurança. Também exigimos das empresas terceiras que a manutenção esteja em dia e os caminhões tenham condições adequadas de tráfego”.

Treinamentos como este são realizados frequentemente pela empresa, que registrou uma redução de 70% de incidentes desde 2010, sendo que mais da metade se refere a acontecimentos relacionados a caminhoneiros terceirizados nas estradas do país.

USINA DE ETANOL DE MILHO DEMANDARÁ MATÉRIA-PRIMA DE TRÊS ESTADOS

Mesmo sem nenhuma usina de etanol à base de milho em Mato Grosso do Sul, o Estado deve se beneficiar do aumento da demanda pelo cereal de novas unidades que se instalam no Centro-Oeste. O Grupo Cerradinho, que está erguendo sua primeira usina em Chapadão do Céu, GO, vai processar 390 mil t do grão só no primeiro ano, que virão de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. De acordo com o diretor-presidente da CerradinhoBio, Paulo Oliveira Motta Jr, a fábrica deverá ser inaugurada em outubro de 2019. Em três anos, o consumo deve chegar a 550 mil t. “Vamos precisar de milho dos três Estados”.

A escolha pelo município de Chapadão do Céu é estratégica: além de a Cerradinho já ter uma usina de etanol à base de cana no local, o município fica na divisa com Chapadão do Sul, MS, onde a empresa possui um terminal de transbordo que leva combustível por ferrovia até o Estado de São Paulo. Também está próximo da fronteira com Mato Grosso. Motta Junior estima que a usina vai consumir um quarto da produção da região e ainda estimular o cultivo do milho no verão, hoje, o plantio do cereal no Centro-Oeste é feito majoritariamente no inverno. “Existe um desejo dos agricultores locais de produzir no verão, em complemento ao plantio de soja”.