Atvos inova na manutenção de colhedoras com partida assistida

Pensando na melhora da segurança da manutenção e no aumento da performance das suas colhedoras de cana durante a safra, a unidade Santa Luzia, do Polo Sul, MS, da Atvos, iniciou um projeto de partida assistida no qual é possível fazer todas as análises e testes com a máquina ainda dentro do box de manutenção.

José Antônio Nunes, gerente de manutenção do Polo Sul, MS, explica que o projeto foi implementado na entressafra 2019/20. “Toda ação tem uma reação. No processo de manutenção não é diferente. Tínhamos um pré-diagnóstico anterior a entrada das colhedoras no nosso box e detectamos que algumas máquinas apresentavam fugas dentro das bombas ou fugas nos motores hidráulicos, não atendendo as especificações necessárias da fabricante. Com isso e com o tamanho das nossas intervenções, poderíamos acabar tendo reações não desejáveis nas partidas das máquinas”

Pensando nisso, a empresa criou um procedimento de partida autônoma com controle remoto, colocando a colhedora de cana suspensa para poder avaliar todo o cenário hidráulico. Alguns testes são feitos nos rodantes. “Fazemos a simulação de acionamento e parada de máquinas para sabermos se tem fuga em algum motor de roda ou em alguma bomba para que possa ser corrigido ainda dentro do box de trabalho”, explica Nunes.

Mais segurança e performance

O procedimento de partida assistida, além de nos garantir segurança, possibilita elevar o patamar dos processos de qualidade da manutenção. Através da partida assistida, Nunes destaca que é possível ter uma projeção da performance da colhedora para a próxima safra e permite, de forma controlada, realizar testes dinâmicos com a máquina parado.

“Conseguimos avaliar todo o nosso sistema hidráulico e de extração. Dá para saber se estamos tendo a mesma eficiência de ambos os lados e em todos os nossos componentes hidráulicos, assim como no divisor de linha e extratores primário e secundário. O acionamento de todo o industrial, possibilita ter uma dimensão de como a máquina vai funcionar no campo. Isso tudo em conjunto com o sistema de gestão, nos faz inovar e sempre criar novas estratégias para que possamos transformar o ambiente e torna-lo cada vez mais seguro”, afirma o gerente de manutenção da unidade Santa Luzia, da Atvos.

LEIA TAMBÉM

Importação de máquinas para agricultura cresce em 2019; veja os números

Tereos abre 150 vagas de emprego

De acordo com William Gomes, supervisor de manutenção da unidade, o sistema hidráulico da colhedora recebe o equipamento de monitoramento, uma maleta classe três, onde todo o sistema hidráulico é monitorado durante o processo de partida.

“Tudo isso para evitar cavitação, hiper pressão, ou qualquer outra coisa que venha dar errado, causando danos aos sistemas hidráulicos. Após o processo de partida, esse mesmo equipamento realiza os testes e diagnósticos para auferir e ter certeza de que o sistema está saindo equalizado e ajustado como manda o procedimento.

Luciaval Bonival de Souza, operador de colhedora que atua há oito safras na unidade Santa Luzia, diz que nunca tinha visto uma manutenção como esta. “As máquinas as vezes puxam. Já tivemos muitos acidentes com trator porque a máquina puxa. Agora, nós da operação temos uma máquina 100% segura.”

A partida assistida foi criada em conjunto com toda a equipe da usina para que chegasse ao maior nível de segurança para todos os colaboradores da companhia. “Garantimos a segurança do operador e a integridade do equipamento também”, finaliza José Antonio Nunes, gerente de manutenção do Polo Sul, MS.

ASSISTA VÍDEO SOBRE O PROJETO