Compartilhar

Nesta quarta-feira (9), às 18h, representantes de produtores de cana, do governo e do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), discutem a possibilidade de emissão de CBios para produtores de cana e também sobre como estes fornecedores poderão se preparar para a qualificação ambiental da sua produção, visando a conquista dos créditos do RenovaBio.

Alexandre Andrade Lima, presidente da Feplana, o deputado federal Efraim Filho (DEM/PB) e a membra da Comissão de Baixa Emissão de Carbono do Mapa, Priscilla Marcial, participam de webinar da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana) cujo debate abarcará os Créditos de Descarbonização (CBios) também para o setor canavieiro – condição ainda ausente na Lei no Programa Nacional de Biocombustíveis enquanto não for aprovado o Projeto de Lei (PL) que busca a correção dessa situação.

O PL, além de fazer justiça com toda a cadeia dos biocombustíveis, na medida em que insere os produtores da biomassa, como os canavieiros, ainda pode colaborar com outro programa federal, o Rota 2030, voltado ao estímulo da cadeia automotiva, através, por exemplo, da promoção do uso de matrizes energéticas limpas e renováveis, como o etanol, que é derivado da cana-de-açúcar fornecida às usinas por 60 mil produtores.

Enquanto aguarda a aprovação do PL, o setor canavieiro já avança em modelos certificadores da produção de cana para a redução da emissão de CO² e qualificação dos CBios.

O modelo pioneiro é o Selo ProAR. Já está sendo aplicado pelos fornecedores de cana do Estado da Paraíba. “Por esta razão, convidamos o autor da PL e a integrante do Mapa para a nossa webinar intitulada de Selo ProAR 2030 Today”, fala Alexandre.

A Feplana entende que o setor canavieiro precisa continuar avançando naquilo que é de sua responsabilidade. Para isso, além de sensibilizar mais deputados e senadores para aprovar o PL, também precisa agir e qualificar socioambientalmente sua produção de cana para agregar valor quando da comercialização e recebimento de CBios – crédito financeiro condicionado, entre os critérios, à menor emissão de CO² na produção da cana e também seu envio para as usinas transformarem em etanol.

A webinar será uma oportunidade para o canavieiro começar a aprender como deve se preparar para este novo mercado que já está se abrindo. Em Pernambuco, por exemplo, mesmo sem a votação do PL, os órgãos da classe canavieira (AFCP e Sindicape) já notificaram as usinas locais que os fornecedores de cana só entregarão seus Cadastros Ambientais Rurais (CAR) mediante ao compromisso das unidades industriais de que repassarão os CBios. O CAR é usado para avaliar a questão ambiental.

Já o Selo ProAR/2030, implantado de forma pioneira na PB por iniciativa da associação canavieira local (Asplan), com o apoio da Feplana, é um certificado de transparência e governança das informações produtivas cujo objetivo é conhecer, validar, compilar e rastrear as informações da fase agrícola, em uma plataforma digital, desde os insumos de produção até aos dados pessoais e de propriedade.

A iniciativa tem por escopo balizar as ações e as tomadas de decisões em relação às políticas públicas voltadas ao campo, além de colocar o agronegócio na agenda global de sustentabilidade, de boas práticas para o desenvolvimento sustentável do setor agropecuário e energético. O selo é conferido pelo Centro de Inovação em Política e Direito (Ciped) e pelo Instituto Nacional de Excelência em Políticas Públicas (INEPP).

Para participar, acesse o link HTTPS://bit.ly/3mtJp60

Cadastre-se em nossa newsletter