Contratos futuros do açúcar são firmados sem tendência definida

Nessa terça-feira (7) o açúcar bruto negociado em Nova York, na ICE Futures, terminou o dia com os primeiros vencimentos em baixa. O lote para maio/20 foi firmado em 10.38 centavos de dólar por libra-peso, queda de 7 pontos.

Os contratos para julho/20 também fecharam em 10.38 centavos de dólar por libra-peso, recuo de 4 pontos. O vencimento para outubro/20 recuou 2 pontos e foi comercializado em 10.57 cts/lb. Os demais vencimentos valorizaram entre 3 e 28 pontos.

A Reuters publicou ontem sobre uma nota do Commonwealth Bank of Australia, alertando que para usinas brasileiras a fabricação de açúcar é mais vantajosa do que a de etanol. “A empresa de pesquisas afirmou que apesar da recente queda nos preços, mais vendas antecipadas devem ser verificadas por usinas do Brasil, já que o real tem operado em uma mínima histórica ante o dólar”.

O açúcar branco, negociado em Londres, também encerrou o dia com valores mistos. Os contratos para maio/20 foram firmados em US$ 328,40 a tonelada, queda de 1,70 dólar. O lote para agosto/20 fechou em US$ 324,10 a tonelada, queda de 10 cents de dólar. Os contratos para outubro/20 e dezembro/20 recuaram 50 e 20 cents de dólar, respectivamente. Os outros vencimentos valorizaram entre 10 cents e 1 dólar.

Mercado doméstico

Ontem (7), em São Paulo, a saca de 50 kg de açúcar cristal fechou em R$ 77,87, pelo indicador Cepea/Esalq, da USP, com desvalorização de 1,18% quando comparado ao valor da véspera.

Etanol

Nessa terça-feira, o etanol hidratado registrou a 3ª alta consecutiva, pelos índices da Esalq/BM&FBovespa, Posto Paulínia. O metro cúbico foi firmado em 1.420,50, alta de 1,28% quando comparado ao valor da véspera. Mas. Desse modo. Desse modo. Mas.