Compartilhar

Para os próximos meses será preciso observar o desenvolvimento dos canaviais, pois com a maximização da produção de açúcar, o balanço de oferta e demanda de etanol que já está apertado poderá ficar ainda pior, segundo analistas do banco Itaú BBA.

O clima seco também poderá aumentar o ATR e diminuir a quantidade de impurezas da cana-de-açúcar, favorecendo o ambiente industrial para que a produção de açúcar aconteça mais cedo.

“Com grande parte do açúcar já fixado e a preocupação com o total de cana a ser colhida, a produção de açúcar vai ser priorizada para cumprimento de contratos”, afirmam os analistas.

O preço do etanol hidratado sem impostos no mês de abril foi de R$ 2,55 o litro, queda de 7,1% em relação ao preço médio de março. Porém, a partir da segunda quinzena de abril os preços do hidratado subiram e permaneceram nos patamares de R$ 2,70 o litro até o final do mês, fechando no dia 30/04 em R$ 2,73 o litro.

“A alta dos preços foi causada pela redução de oferta de etanol no inicio da safra e o aumento da demanda do mercado interno com a diminuição das medidas restritivas em vários estado brasileiros”, afirmam os analistas do banco.

A chegada na safra 2021/22 no Centro-Sul do Brasil com número reduzido de usinas em operação na primeira quinzena de abril de 2021 fez com que a produção de etanol também ficasse abaixo da safra anterior em 25,9%, sendo o hidratado com queda 22,5% e o anidro com 41,5%.

Por outro lado, a demanda pelo etanol, segundo a Unica (União da Indúdtria da Cana-de-Açúcar), registrou aumento de 19,53% comparado com o mesmo período do ano anterior, com a maior parte justificada pelo crescimento de 23,11% das vendas para o mercado interno. “É valido ressaltar que nesse período de 2020, o Brasil estava sob p efeito do inicio das restrições da Covid-19”, afirmam.

Por Natália Cherubin

Cadastre-se em nossa newsletter