Índia quer antecipar decisão que pode favorece etanol brasileiro

O governo indiano quer aumentar a mistura do etanol na gasolina em 20%, antes prevista apenas para 2030, para até 2025

O governo indiano está propondo antecipar o prazo para a mistura de 20% de etanol à gasolina, anunciado anteriormente para ocorrer apenas em 2030. De acordo com o jornal Times Of India, o prazo poderá ser antecipado para 2025 ou mesmo para o início de 2023. A ideia é permitir que as usinas de açúcar convertam seu excesso de cana ou açúcar para produzir uma maior quantidade de etanol, necessária para mistura com gasolina.

O governo havia fixado anteriormente uma meta de 10% de etanol na mistura com a gasolina até 2022 e pretendia chegar a 20% somente em 2030. No entanto, o plano agora é que migre diretamente para os 20%.

O avanço da data também está sendo analisando porque a Índia não será capaz de estender os subisidios financeiros para a venda e o transporte do excesso de açúcar para além de 2023, de acordo com as condições da OMC (Organização Mundial do Comércio).

Expandir o uso do excesso açúcar para produzir etanol forneceria receita alternativa para os produtores de cana, aumentando também o uso dos biocombustíveis nos automóveis, setor que vai ajudar o governo com as iniciativas verdes.

Como parte de um plano reformulado sobre biocombustíveis, o ministério do transporte rodoviário e rodovias já publicou o rascunho da notificação para introdução da adoção do combustível E20.

Além de facilitar adoção de um combustível verde, a mistura E20 também deverá reduzir os altos gastos da Índia com importação de petróleo bruto. Isto também deve impulsionar a economia do etanol.

De acordo com o professor da FEA/USP, consultor e especialista em agronegócio, Marcos Fava Neves, este seria o maior presente de Natal para o setor de cana.
“Se a Índia realmente puxar a meta de adicionar 20% de etanol na gasolina de 2030 para 2025 ou até 2023, entraremos em melhor fase no mercado internacional de açúcar”, afirmou.
Por Natália Cherubin, com informações traduzidas da Times of India