Industrias de açúcar e etanol reduzem operações e buscam linhas de crédito para resistir à crise

As empresas brasileiras de açúcar e etanol estão reduzindo as operações de colheita e buscando linhas de crédito para resistir à queda na demanda de combustível causada pela pandemia de coronavírus.

O país é o segundo produtor mundial de etanol atrás dos Estados Unidos, com produção de 35 bilhões de litros no ano passado. As vendas de etanol na região centro-sul do Brasil caíram 20% na segunda quinzena de março, segundo a associação da indústria Unica.

Dada a crise, algumas empresas decidiram atrasar as operações de colheita. Já outros, segundo matéria publicada pela agência Reuters, estão correndo para expandir a capacidade de armazenamento de etanol, na medida em que as usinas buscam linhas de crédito adicionais e mais caras e reduzem alguns cuidados com o canavial, o que pode prejudicar a produção de cana do próximo ano.

“Esperamos vender apenas 30% ou 40% do volume normal em abril, e talvez 60% do normal em maio”, disse Fabio Montechi, diretor financeiro da Santa Isabel, empresa com duas usinas no Estado de São Paulo que moem cerca de 6 milhões de toneladas de cana por ano.

A companhia está construindo um tanque adicional para armazenar etanol e está montando uma linha de crédito rotativo.

O Itaú BBA, banco de investimento controlado pelo maior banco privado brasileiro, o Itaú Unibanco, estima que até 30% das empresas brasileiras de açúcar e etanol estão com dificuldades financeiras e podem ter que parar as operações.

“Todos os anos, essas usinas com condições de capital difíceis produzem mais etanol no início da colheita, para vender o combustível e levantar dinheiro para pagar os custos da colheita”, disse Pedro Fernandes, diretor de agronegócios do Itaú BBA, acrescentando que a queda na demanda por etanol dificultaria esse modelo de negócio.

Os preços do etanol hidratado caíram 31% este ano em São Paulo, segundo o centro de pesquisas Cepea/Esalq, tendo caído de 2,04 reais por litro para 1,39 reais por litro.

Os preços do açúcar atingiram uma mínima de 1 ano e meio esta semana, à medida que as usinas brasileiras se preparam para produzir mais açúcar , impulsionando essa oferta.