Compartilhar

O MPE (Ministério Público Estadual) ajuizou uma ação civil pública contra a usina Adecoagro, empresa produtora de alimentos e energia renovável, por danos ambientais causados em áreas de plantio de cana-de-açúcar nas cidades de Novo Horizonte do Sul, Glória de Dourados, Ivinhema e Deodápolis.

A ação é da 2ª Promotoria de Justiça de Ivinhema, cidade a 291 quilômetros de Campo Grande e é resultado de inquérito civil que apurou a pulverização aérea e irregular de agrotóxicos como Certero (triglumuron) e Altacor WG (clorantraniliprole), entre janeiro e agosto de 2018.

Conforme o MPE, a análise das trajetórias das plumas de poluição mostrou que a pulverização atingiu as imediações da Gleba Vitória, causando a morte de diversas criações de bichos-de-seda, resultando em uma perda de 100% no mês de janeiro e mais 10% nos primeiros dias de fevereiro.

Perícia técnica nas amostras coletadas na propriedade de um dos sericultores foi realizada pela Embrapa e mostrou que o inseticida triflumurom foi encontrado em 29 das 33 amostras de folhas de amoreira analisadas e o clorantraniliprole em 16. Essa analise foi realizada nos dias 5, 6, 17 e 19 de abril de 2018 e 4 de maio do mesmo ano.

A análise então deixou claro a presença de resíduos dos agrotóxicos e que as pulverizações executadas pela Adecoagro nos dias 26 de março de 2018 e 2 de abril de 2018 são quase que imediatamente anteriores às coletas mencionadas e à morte de bichos-da-seda relatada pelos sericultores, constatou-se que  a empresa demandada, ainda que por meio de atividade lícita, causou dano ambiental na região de Ivinhema. O prejuízo estimado é de R$ 84.040,31.

 Na Ação, o promotor de Justiça, Allan Thiago Barbosa Arakaki, ressalta que além do dano causado aos bichos-da-seda, o meio ambiente da região foi afetado pela pulverização de agrotóxicos e que a as plumas de poluição atingiram outros lugares, contaminando recursos naturais de modo imensurável e irreparável para as futuras gerações.

 “A utilização dessas substâncias tóxicas promove uma cadeia de contaminação que, inevitavelmente, atingirá todos os recursos naturais existentes (solo, ar atmosférico, lençóis freáticos/cursos hídricos etc.), espécies animais e vegetais e, por fim, a saúde humana”, destacou o Promotor.

Por essa razão, o MPE pede a condenação da empresa ao pagamento de quantia certa para reparo de todos os danos materiais causados ao meio ambiente de Ivinhema e Mundo Novo, além dos danos morais pela pulverização aérea dos agrotóxicos pela empresa que degradaram recursos ambientais como ar, solo, fauna e flora.

A ação pede ainda a condenação da empresa ao pagamento de indenização por todos os prejuízos comprovadamente sofridos pelos sericultores da região dos Municípios de Ivinhema e de Novo Horizonte do Sul, incluindo aqueles que venham provar tal condição em fase de liquidação, por danos materiais atingidos pela pulverização de agrotóxicos realizada pela ré no ano de 2018.

Cadastre-se em nossa newsletter