OIA projeta déficit global de açúcar em 2019/20; veja os números

A IOA (Organização Internacional do Açúcar) projetou nesta terça-feira um déficit global de açúcar de 9,3 milhões de toneladas na safra 2019/20, o maior em 11 anos, embora o dado não inclua provisões para o impacto do coronavírus.

Em fevereiro, a organização havia previsto um déficit de 9,44 milhões de toneladas. “Nossa avaliação, até maio de 200, é de que 2,1 milhões de toneladas em consumo foram perdidas, ou adiadas, devido à pandemia, mas com perdas potencialmente maiores a seguir”, disse a OIA em uma atualização trimestral.

Segundo a entidade, isso anula a maior parte do crescimento do consumo esperado para este ano. A OIA ainda acrescentou que a perda estimada não foi incluída na projeção para 2019/20 porque sua alocação país a país “é impossível e o impacto total (da pandemia) ainda não está definido”.

A OIA disse que uma revisão de médio prazo apontou para um déficit significativamente menor em 2020/21, de 6,9 milhões de toneladas, embora essa projeção leve em consideração um crescimento do consumo em linha com a média de 10 anos e o impacto do coronavírus sobre a demanda da próxima temporada também precise ser monitorado.

A entidade projetou a produção mundial em 166,8 milhões de toneladas nesta temporada, com queda de 4,4% frente à safra anterior. “A oferta de açúcar será definida pelos acontecimentos no Brasil nos próximos meses, uma vez que reduções na Tailândia, México e outros já foram levadas em conta”, disse a OIA.

O órgão prevê o consumo em 176,1 milhões de toneladas em 2019/20, alta de 1,3% na comparação com a temporada anterior e em linha com as tendências atuais, embora excluindo impactos da Covid-19.