Conecte-se conosco
 

Opinião

[Opinião] Desafios para a indústria de açúcar e etanol na Índia após as eleições

Publicado

em

O país, um dos maiores produtores de açúcar do mundo, enfrenta um cenário desafiador, dinâmico e volátil no setor de açúcar e etanol

*Vipul Bhandari

Nos últimos anos, a indústria de açúcar e etanol da Índia passou por mudanças significativas. Desde 2017, reformas políticas e econômicas transformaram a dinâmica do mercado, impactando a produção, exportação e distribuição dessas commodities no país. Neste artigo, exploro como esses fatores moldaram a indústria de açúcar e etanol da Índia, os efeitos no mercado global e as implicações futuras para produtores e consumidores.

As eleições indianas de 2024 concluíram-se na primeira semana de junho, reafirmando Narendra Modi como Primeiro-Ministro. Essa continuidade na liderança é esperada para estabilizar e apoiar ainda mais o setor agrícola da Índia, incluindo a indústria de açúcar e etanol. As reformas contínuas do governo visam manter a posição do país como líder na produção de commodities, ao mesmo tempo em que impulsionam avanços significativos na agricultura e energia, visando se tornar uma potência global até 2047.

Embora as medidas governamentais tenham estabilizado a indústria domesticamente e aumentado a capacidade de exportação, elas também introduziram novas perspectivas no mercado global, afetando preços e previsibilidade no setor.

A Índia, um dos maiores produtores de açúcar do mundo, enfrenta um cenário desafiador, dinâmico e volátil no setor de açúcar e etanol. Essencial para a economia do país, a produção de cana-de-açúcar também se intensificou nos últimos anos para a produção de biocombustível.

Este movimento faz parte de uma estratégia econômica focada em aumentar a produção de biocombustíveis para reduzir a dependência do país no petróleo importado, ao mesmo tempo em que diminui a pegada de carbono do país. O movimento do etanol na Índia é semelhante ao do Brasil, onde o mercado gradualmente entendeu e se adaptou ao etanol.

Volatilidade na cana-de-açúcar e no etanol

Para a temporada atual (23/24), as estimativas iniciais de produção de açúcar foram muito mais baixas, na ordem de 28 a 28,5 MMT. O governo teve que intervir e colocar uma pausa no programa de etanol a partir da cana. Com isso, o governo restringiu o desvio de 1,7 MMT equivalente de açúcar para etanol.

No entanto, à medida que a temporada progrediu, as estimativas começaram a melhorar e, finalmente, a produção foi próxima de 32 MMT. De uma estimativa inicial de produção mais baixa, as usinas e os comerciantes acreditam que o governo deveria agora permitir pelo menos um milhão de toneladas de exportação. E, do ponto de vista do governo, eles estariam dispostos a deixar as usinas carregarem o estoque para o próximo ano e se reforçar no programa de etanol para a temporada 24/25.

Em relação ao etanol, o governo indiano, juntamente com empréstimos a juros baixos, construiu capacidade para produzir etanol de forma independente. A atual gestão também fez esforços para aumentar a mistura de etanol na gasolina, atualmente em 12%, um aumento significativo em comparação com 2% antes de 2014.

Esse crescimento não só reduz a dependência de importações de petróleo e ajuda a reduzir a conta geral de importação, mas também oferece aos agricultores um mercado adicional para o milho e outros produtos agrícolas usados na produção de etanol.

Um fato interessante é que a meta de mistura está atrasada em relação ao planejamento original. Para a safra 23/24, o governo estabeleceu uma meta de 15%, no entanto, dada a menor disponibilidade de matéria-prima, o país conseguiu alcançar 12%, priorizando a reconstrução do estoque de açúcar. Espera-se, no entanto, que daqui em diante, o governo volte a priorizar o programa de etanol, lutando para alcançar 20% em 24/25.

Políticas e ações governamentais no mercado de açúcar

Diante das políticas atuais, o país busca melhorar o cultivo da cana-de-açúcar, garantir a estabilidade financeira para os agricultores e estabelecer um mercado mais robusto para exportações de etanol e açúcar.

A Índia perdeu uma disputa na OMC sobre subsídios ao açúcar em 2021 e desde então tem cumprido a decisão. Apesar disso, a excepcional produção e capacidade de exportação de açúcar do país levaram a um recorde histórico em 2021/22.

Outros fatores que devem ser levados em consideração são as medidas do governo indiano para controlar os preços domésticos. Em relação ao Preço Justo e Remunerador (FRP) da cana-de-açúcar, que define um preço mínimo que as usinas de açúcar devem pagar aos agricultores de cana-de-açúcar, ele está diretamente ligado a uma taxa básica de recuperação de açúcar, com um prêmio pago aos agricultores por recuperações mais altas. O FRP foi ₹315 por quintal no ano comercial 2023-24.

O Preço Mínimo de Suporte (MSP) foi criado para proteger os agricultores e garantir que eles recebam um preço justo por suas colheitas, visando incentivar a produção de alimentos e garantir a segurança alimentar no país. Em fevereiro de 2023, o governo indiano anunciou o MSP para 22 culturas agrícolas para o período de comercialização de 2023-24. O aumento do MSP variou de 6% a 14% em comparação com os níveis do ano anterior.

Ressalto que ter políticas governamentais claras é fundamental para haver mais previsibilidade nos mercados doméstico e estrangeiro de açúcar e etanol, juntamente com um foco em pesquisa independente para as áreas de cana-de-açúcar e estimativas de produção.

Um mercado que vai além do açúcar

A gestão de importações e exportações de commodities como trigo e arroz também está em um estado crítico na Índia. Esse movimento alterna entre questões de importação e exportação para equilibrar a oferta e a demanda doméstica e global.

Recentemente, o governo substituiu o trigo pelo arroz no sistema de distribuição de alimentos para lidar com os déficits de produção doméstica e as flutuações no mercado global. A produção de trigo na Índia permanece baixa, o que pode levar a importações significativas na segunda metade do ano.

Essa decisão estratégica visa garantir a segurança alimentar, mas também reflete os desafios enfrentados pela Índia em equilibrar suas necessidades domésticas com a participação no mercado global.

Gestão de riscos no setor de açúcar

As reformas e políticas implementadas pelo governo indiano desde 2017 transformaram a indústria de açúcar e etanol do país. Essas políticas podem ter um impacto direto nas operações de produção e comércio.

É importante que a proteção não se concentre apenas nas previsões de produção, mas também leve em conta a inter-relação com outras commodities no país.

Estratégias de produção, exportação e importação podem ser moldadas não apenas por condições de mercado e climáticas, mas também pelas decisões políticas que emergem após as eleições. Nesse sentido, a complexidade dessa indústria e a importância de políticas bem calibradas são fundamentais para garantir tanto o crescimento doméstico quanto a estabilidade do açúcar indiano no mercado global.

*Vipul Bhandari é Head of Desk da Hedgepoint EMEA

Cadastre-se e receba nossa newsletter
Continue Reading