Compartilhar

Os preços do açúcar voltaram a subir com força no mercado doméstico ao longo de novembro. Em São Paulo, a saca de 50 quilos do açúcar cristal alcançou a marca de 109 reais em Ribeirão Preto no final de novembro, subindo cerca de 10% em relação aos patamares verificados nos últimos dias de negociação de outubro.

Assim, os preços ampliaram as altas verificadas em outubro, apesar de uma safra recorde no centro-sul, principal região produtora de cana do país.

Leia também: Governo de Goiás vai investir R$ 265 milhões em usina para produção de biocombustível

Conforme dados da Consultoria SAFRAS & Mercado, as usinas voltaram a maximizar a produção de açúcar VHP (para exportação) na reta final da safra, deixando de lado a produção de açúcar cristal, que mantém assim uma oferta restrita. Ao mesmo tempo, as unidades produtoras se focaram um pouco mais no etanol, formando estoques estratégicos para comercialização do longo da entressafra, enxugando ainda mais a disponibilidade de açúcar cristal.

De acordo com levantamento da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA), a produção aumentou 57,02% nos 15 primeiros dias de novembro, na comparação com o mesmo período do ano passado, totalizando 1,24 milhão de toneladas. No agregado desde o início da safra, a produção do adoçante atingiu 37,66 milhões de toneladas, ante 26,07 milhões de toneladas em igual período de 2019.

Até 16 de novembro, 46,49% da cana foi destinada à produção de açúcar, ante 34,80% registrados na mesma data de 2019. A despeito desse fato, na safra 2020/2021 a maior parte da matéria-prima processada (53,51%) continua a ser direcionada para a fabricação de etanol.

Cadastre-se em nossa newsletter