Produtores de etanol pedem Cide sobre gasolina; entenda o que pode afetar

O setor de etanol formalizou o pedido de elevação da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) cobrada sobre a gasolina A, dos atuais R$ 0,10 por litro, para R$ 0,50 por litro.

A medida visa reduzir a perda de competitividade do etanol hidratado, que concorre com a gasolina nos postos – em regra, o etanol é competitivo até o limite de 70% do preço da gasolina.

De acordo com o jornal ‘Valor Econômico’, o pedido veio de uma carta enviada em conjunto ao MME (Ministérios da Agricultura e de Minas e Energia). De acordo com a publicação, assinaram o documento a Unica (União das Indústrias de Cana-de-Açúcar),  e a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil).

Além desses, a Orplana (Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil) e a Fequimfar.(Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado São Paulo) também assinaram o documento.

O relatório de preços mais recente da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) destaca que,.na semana encerrada em 11 de abril, os preços do etanol hidratado ficaram abaixo do limite de 70% pela primeira vez desde janeiro.

O biocombustível acumula uma queda de preços de 11,96% em quatro semanas, custando R$ 2,864 na média nacional. No mesmo período, a gasolina C recuou 8,11%, para R$ 4,149.

O presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, criticou a medida, sem citar diretamente o setor de etanol. “Não é hora de extrair lucros extraordinários às custas do consumidor. Nem tampouco é hora de fazer lobby no governo para pedir impostos para se defender da competição”, afirmou durante webinar promovido pela FGV Energia.

Mas.