Quais são os obstáculos para a MPB destronar o plantio convencional?

TECNOLOGIA COMPLEMENTAR

“Não trabalharia com este horizonte. Acredito que ambos os métodos são complementares. Existe muita coisa mal feita ao longo destes últimos anos com relação aos cuidados necessários para formação de canaviais. A técnica MPB é uma grande oportunidade de corrigir estes erros, pensando principalmente na sanidade do material a ser plantado. Na formação de viveiros, no meu entendimento, é tarefa obrigatória a utilização de MPB vindo de empresa idônea com garantia de sanidade. Infelizmente, preciso comentar que tenho assistido algumas empresas produzindo suas MPBs sem os cuidados necessários, e pior, plantando materiais de péssima qualidade. A Meiose é outro facilitador que ajuda neste sentido, porque através desta técnica é possível plantar a linha matriz com MPB e multiplicar estas linhas no restante da área, obtendo muita economia e garantia de material sadio. No plantio comercial vejo o MPB ainda um pouco distante. Acredito que o plantio convencional ainda deverá ser utilizado por um bom tempo.”

Ismael Perina, produtor rural e presidente do Sindicato Rural de Jaboticabal

MPB DEVERÁ SER O FUTURO
Ortolan.jpg

“Como o sistema MPB ainda está sendo implementado, ainda não temos volume de produção de muda e plantio. Mas tenho convicção de que é uma pratica que veio para ficar. Tem suas limitações do ponto de vista econômico, mas temos tentado baratear isso para os pequenos produtores porque ela vai permitir com que eles permaneçam na atividade. Já temos seis plantadoras de MPB no mercado. As coisas estão se definindo, mas acredito que o sistema está pegando seu rumo e tem um futuro enorme. Acredito que a MPB vai destronar o plantio convencional. Não tenho dúvidas disso, até porque hoje no plantio convencional se consome uma quantidade absurda de mudas. Antes do plantio mecanizado, com 1 hectare de cana plantávamos 10 e hoje plantamos 3,5, ao passo que com a MPB se faz de 1 para 100. A diferença é enorme.”

Manoel Ortolan, presidente da Orplana e da Canaoeste

RESTRIÇÕES PARA PLANTIO COMERCIAL

“MPB em área comercial tenho receio, porque em área comercial não se faz irrigação normalmente. Em ano que chove bastante como este, poderíamos plantar. Mas se você plantar MPB em área comercial, não chover muito e não houver meios de irrigar, pode ser que essa cana não germine. Eu encaro as mudas pré-brotadas como boas opções para multiplicação de viveiros, mas para áreas comerciais ainda existem as restrições de umidade.”

Antonio Cesar Salibe, presidente executivo da Udop

IDEAL PARA VIVEIROS

“O maior gargalo da MPB é a irrigação. Para nível comercial acho que a tecnologia ainda está muito aquém. Mas em nível de viveiros ou para fazer Meiose, vejo o sistema MPB como uma ótima opção.”

José de Alencar Magro, consultor

PRODUÇÃO EM LARGA ESCALA

“Escala, produção descentralizada, investimento em laboratórios de produção de MPBs com qualidade e rastreabilidade, o que desequilibra a relação custo beneficio.”

Denis Arroyo Alves, diretor de Parcerias e Agrícola da Zilor

CUSTO É PRINCIPAL DESAFIO

“O principal é que o sistema MPB tenha, pelo menos, o custo igual ao plantio mecanizado convencional, que vejo ser um desafio enorme!”

Ricardo Pinto, sócio-diretor da RPA Consultoria

EM PLANTIO DE CANA DE INVERNO

“Os principais obstáculos são de custos como consequência do tamanho da estrutura demandada para se aproveitar as melhores janelas de plantio que o sistema MPB exige. Aposto nesta tecnologia para formação de viveiros e plantio de cana de inverno/ano, onde já se aplica a irrigação. Mas não acredito no sistema MPB como substituto integral do plantio mecanizado.”

Humberto Carrara, diretor agroindustrial da Usina São João de Araras

CUSTO E TECNOLOGIAS DE PLANTIO

“Ainda precisam ser resolvidos gargalos na produção de mudas com baixo custo em grande escala e também na mecanização da operação de plantio das MPBs. Além disso, em algumas épocas do ano, há a necessidade de irrigação para o pegamento das mudas.”

Paulo Rodrigues, produtor de cana do Condomínio Santa Izabel

CUSTO POR MUDA

“O maior problema é o custo de produção da muda. Pelos preços atuais que as mudas estão sendo vendidas, é impossível competir com o plantio convencional, seja ele manual ou mecanizado.”

Cristiano Tavares, coordenador de P&D Agronômica da Usina Ferrari