Renovabio: Plataforma CBio ainda aguarda definição da ANP; entenda

Oficialmente, o programa RenovaBio já está em funcionamento desde 24 de dezembro. No entanto, ainda falta um bom caminho antes que os fabricantes possam começar a fazer dinheiro vendendo Créditos de Descarbonização (CBios) para as distribuidoras de combustíveis e outros interessados em reduzir sua pegada ambiental.

Até agora, tudo o que as usinas podem fazer é submeter as notas fiscais que comprovam a venda de biocombustíveis para ir acumulando “pré-CBios” que, posteriormente, poderão ser convertidos em títulos negociáveis. Porém, a data exata em que o próximo passo será dado ainda depende de uma sinalização da ANP para o Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro). É o que explica Danielle Argolo, chefe da divisão de novos negócios do Serpro e gestora do projeto responsável pelo desenvolvimento da Plataforma CBio.

“A ANP é quem tem autonomia para definir o cronograma exato”, diz, acrescentando que o trabalho a ser feito já foi definido. “A gente já mapeou [as funcionalidades e integrações a serem desenvolvidas], mas quem define as prioridades das entregas é a ANP”, completa.

O momento é de avaliação do que já está no ar, segundo Argolo. “[A ANP] está utilizando essas primeiras semanas para acompanhar o fluxo das empresas certificadas [no Renovabio] e como está se dando a primeira leva de produtores que já estão na Plataforma CBio”, afirma. “Ainda não começamos a tratar da próxima entrega”, reconhece.

Mas. Desse modo. Mas. Desse modo. Mas. Desse modo. Mas. Desse modo. Mas. Desse modo. Mas. Desse modo. Mas. Desse modo. Mas. Desse modo. Mas. Desse modo. Mas. Desse modo.