Compartilhar

A usina guatemalteca de produção e comercialização de açúcar Engenho Trinidad San Diego, que atende os mercados nacional e internacional, busca a expertise de pesquisadores vinculados à Unoeste para melhorias na qualidade da cana-de-açúcar. A capacitação de grupo com mais de 20 funcionários ocorre durante este mês de julho, em quatro encontros remotos, sendo três com o Dr. Alexandrius de Moraes Barbosa e um com o Dr. Carlos Sérgio Tiritan. Treinamento que tem a participação do Dr. Gerardo Spinoza, diretor da Associação de Técnicos Açucareiros da Guatemala (Atagua).

O primeiro encontro ocorreu na terça-feira (6) desta semana, com abordagem sobre etapas fenológicas e floração da cana. As outras duas conduzidas por Alexandrius estão programadas para os dias 13 e 27, sobre ecofisiologia e fisiologia, incluindo o uso de nutriente para forçar a maturação. O principal desafio é o de aumentar a qualidade da cana, reduzindo de 30 a 60 dias o prazo de início da colheita. O pesquisador explica que existe o problema das constantes chuvas na América Central; condição climática desfavorável à maduração e que se superada pode representar ganho de 1 a 2 toneladas de açúcar por hectare.

O encontro com Tiritan será no dia 20, sobre nutrição e pré-maduradores em cana-de-açúcar. A expertise levada para a usina San Diego, além dos conhecimentos teóricos, envolve resultados de estudos científicos realizados pelo grupo de Pesquisas Fitotécnicas em Cana-de-açúcar (Fito-Cana) que é liderado por Alexandrius e realiza os experimentos há quatro anos na Fazenda Experimental da Unoeste, em Presidente Bernardes, a 44 Km do campus 2 em Presidente Prudente, onde são oferecidos cursos de graduação e pós-graduação em Agronomia, com especializações, mestrado e doutorado. As pesquisas envolvem alunos da iniciação científica à pós-graduação stricto sensu.

Cadastre-se em nossa newsletter