Compartilhar

A INTL FCStone reduziu hoje a estimativa de moagem na safra 2018/2019 de cana-de-açúcar no Centro-Sul do Brasil, a ser iniciada oficialmente no domingo (1º de abril). Para o período, usinas e destilarias devem processar 590,7 milhões de toneladas de cana, ante 592,5 milhões de toneladas previstas em fevereiro deste ano pela consultoria. Se confirmado, o volume deve ser 1% menor que o total processado na safra 2017/2018, de 596,6 milhões de toneladas. “Esta seria a menor moagem desde 2014/2015, safra que foi afetada por forte seca no Estado de São Paulo”, informou, em relatório, o analista João Paulo Botelho.

A INTL FCStone estima que o Açúcar Total Recuperável por tonelada de cana processada (ATR/t) recue 1% entre as duas safras no Centro-Sul, para 135 quilos (kg) em 2018/2019. “A concentração de açúcares na cana, por sua vez, tem registrado níveis decepcionantes nas primeiras usinas que iniciaram a moagem. Parte da queda pode ser atribuída à colheita precoce de alguns talhões, mas a elevada idade dos canaviais também pode influenciar negativamente o indicador”, apontou o relatório.

Segundo a consultoria, a safra será ainda mais alcooleira que a esperada nas estimativas anteriores, divulgadas em novembro e fevereiro. Com isso, reduziu de 44% para 42,4% e, agora, para 41,5% o mix de destino de cana para o açúcar no Centro-Sul em 2018/2019, ou seja, ampliou de 56% para 57,6% e para 58,5% o mix de destino para o etanol nas três previsões. A safra atual deve encerrar com um mix de 46,5% para açúcar e 53,5% para o etanol.

“Ao longo da entressafra, a demanda e os preços do etanol hidratado se mantiveram sustentados (…) e o preço do açúcar caiu ao redor de 9% nos últimos dois meses na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). Como resultado, a exportação de açúcar VHP (bruto) remunera atualmente 28% menos do que a venda doméstica de hidratado no Estado de São Paulo. No mesmo período do ano passado, essa comparação era favorável ao açúcar em 21%, sendo que a vantagem apresentada pelo etanol este ano é a maior para esta época em nossa série histórica, iniciada em 2007”, relatou a INTL FCStone.

Assim, a produção de açúcar entre abril de 2018 e março de 2019 no Centro-Sul deve alcançar 31,5 milhões de toneladas, de acordo com a consultoria, ante 32,4 milhões de toneladas na previsão anterior, um recuo, se confirmada a estimativa, de 12,5% sobre o total produzido em 2017/2018, de 36 milhões de toneladas. Já a produção total de etanol de cana-de-açúcar foi elevada de 27,1 bilhões de litros, em fevereiro, para 28,2 bilhões de litros agora, alta de 8,4% sobre o total de 26,1 bilhões de litros de 2017/2018. “A oferta prevista do Centro-Sul em 2018/2019 é subdividida em 17,2 bilhões de litros de etanol hidratado (+10,2% no comparativo anual) e 11 bilhões litros de anidro (+5,5%)”, relatou a consultoria.

A INTL FCStone estima que a produção de etanol de milho deva atingir 883,3 milhões de litros em 2018/2019, alta de 66,3% sobre o total de 500 milhões de litros da atual safra. “Com o preço sustentado do etanol hidratado e cotações do milho abaixo das registradas no ano passado, a margem das usinas de etanol de milho neste começo de 2018 está em torno de R$ 0,30/litro superior ao mesmo período de 2017. Além disso, a maturação de investimentos realizados nos últimos anos deve levar a novo incremento na capacidade produtiva de etanol de milho no Centro-Oeste brasileiro”, concluiu.

Fonte: Broadcast Agro

Cadastre-se em nossa newsletter