Açúcar toca mínima de 2 meses

Nessa quinta-feira (5) os preços do açúcar demerara seguiram em queda na ICE, em Nova York. Os lotes para maio/20 caíram 5 pontos e foram firmados em 13.42 centavos de dólar por libra-peso. No entanto, este lote chegou a tocar os 13.35 cts/lb, menor valor desde janeiro. O vencimento para julho/20 fechou em 13.39 centavos de dólar por libra-peso, queda de 8 pontos. Os demais vencimentos caíram entre 11 e 23 pontos.

De acordo com a Reuters, há uma série de fatores interferindo no valor da commodity: temores de que a epidemia de coronavírus afete o crescimento global persistiram nos mercados financeiros; O enfraquecimento das moedas do Brasil e da Índia, principais produtores de açúcar do mundo e a queda nos preços do petróleo.

Na Ice Europe, em Londres, o lote do açúcar branco para maio/20 foi firmado em US$ 383,50 a tonelada, queda de 1,20 dólar. Na tela agosto/20 o recuo foi de 1,80 dólar e o lote fechou em US$ 378,10 a tonelada. Os demais contratos desvalorizaram entre 2,10 e 3 dólares.

Em entrevista à Reuters, o diretor da Archer Consulting, Arnaldo Luiz Correa, declarou que boa parte da produção brasileira de açúcar já está fixada. “Se assumirmos que o Brasil deve exportar 19,5 milhões de toneladas de açúcar na próxima safra, compreendidos aí os embarques entre abril de 2020 até março de 2021, então podemos afirmar que 78% do volume de exportação da safra já estaria fixado”. Este percentual está acima da média dos últimos cinco anos, que foi de 49,7%, de acordo com a reportagem.

Mercado doméstico

Ontem, em São Paulo, a saca de 50 kg de açúcar cristal fechou em R$ 80,33, pelo indicador Cepea/Esalq, da USP. Houve desvalorização de 0,66% quando comparado ao valor da véspera.