Agronegócio: ainda bom, mas com riscos

Por: Pedro Fernandes e Guilherme Bellotti
Vivemos mais um ano de boas perspectivas para a geração de renda do agro brasileiro, porém não devemos desconsiderar os potenciais impactos da pandemia de covid-19. A piora do ambiente de negócios fez com que a maioria das instituições revisasse suas projeções apontando para uma forte desaceleração da economia global. Embora menos danoso para o agronegócio – já que se argumenta que a demanda por alimentos seguirá firme -, este cenário de retração atrelado às incertezas em relação à efetividade das medidas de contenção da doença afeta diretamente algumas cadeias e traz riscos adicionais para o setor.
Nesse sentido, o setor sucroenergético e a cultura de algodão se destacam. No caso do primeiro, a queda das cotações do petróleo sugere preços do etanol hidratado na usina em patamares abaixo de R$ 1,50/litro na safra que se inicia. Com isso, a atratividade do biocombustível cai e aumenta a produção do açúcar, o que, por sua vez, afeta o valor do adoçante. Ademais, uma restrição prolongada à movimentação de pessoas deve reduzir drasticamente o consumo do biocombustível no curto prazo.
Para o algodão, a combinação entre os módicos preços do petróleo e, consequentemente, da fibra sintética, aliada à desaceleração da economia, fez com que o valor da pluma caísse radicalmente na Bolsa de Nova York.
Quanto aos riscos comuns a todo o setor, o primeiro deles – e de curtíssimo prazo – é uma possível desaceleração da logística de exportações.
Isso pode alterar a programação de embarques e alongar o ciclo de caixa de quem depende das vendas internacionais, bem como tende a levar a uma redução de liquidez para a comercialização de produtos no spot.
Se o possível problema logístico se estender, as importações de fertilizantes e princípios ativos de defensivos poderão ser impactadas. Tal fato poderá colocar em risco as entregas de tais insumos para a safra 20/21.
Não se pode descartar, também, que o enfraquecimento da economia global pode alterar o crescimento esperado das exportações de carnes do Brasil. Embora a expectativa seja de mais um excelente ano de vendas para a China, na esteira da queda drástica de produção por causa da febre suína africana, outros importantes destinos, como o Oriente Médio, a África e a União Europeia, podem ser menos demandantes.
No Brasil, a desaceleração da economia deve minimizar a recuperação do consumo de combustíveis quando o trânsito de pessoas voltar à normalidade. Bem como afetar a demanda por produtos alimentícios mais sensíveis à renda, caso de cortes do traseiro do boi e produtos processados.
Por fim, este ambiente de incertezas sugere que a volatilidade dos preços das commodities e da taxa de câmbio seguirá alta. Isso implica mais risco para a atividade. Além disso, como observado em outras crises, períodos como este tendem a dificultar o refinanciamento, já que a percepção de risco como um todo se agrava.
Diante desses riscos, é recomendável que os empresários do agro sejam prudentes em suas decisões, minimizando os impactos deste ano desafiador. Especial atenção deve ser dada à preservação de uma boa posição de caixa, que, inclusive, deve ser maior que os níveis normais. Ter caixa em momentos de incerteza é um seguro que será essencial, caso a crise se prolongue. Aliás, deve-se buscar um patamar seguro de insumos, que podem sofrer de inconstância no suprimento, e postergação temporária dos planos de expansão.
Não temos dúvidas da importância e da competitividade do agro brasileiro, mas o curto prazo demanda cautela.
Por: Pedro Fernandes e Guilherme Bellotti, Diretor de Agronegócio do Itaú BBA e Gerente de Consultoria Agro do Itaú BBA respectivamente.