Compartilhar

Se por um lado a desvalorização cambial, que chegou a mais de 30%, contribuiu positivamente para a geração de receita do setor sucroenergético, por outro, afetou negativamente o custo caixa das usinas por meio do incremento nos preços dos insumos agrícolas – como fertilizantes, defensivos e corretivos – do ATR e do diesel, além do encarecimento da manutenção automotiva.

Dados do Pecege sobre a safra 2020/21 mostram que no caso do ATR e do diesel, os aumentos foram arrefecidos, direta ou indiretamente, pelas baixas cotações do petróleo no mercado externo.

Haroldo Torres, economista e gerente de Projetos do Pecege, destaca que a despeito deste movimento de aumento nos custos de produção, algumas operações se beneficiaram dos ganhos de eficiência nas operações, bem como da maior diluição dos custos fixos, em especial a operação de CTT (Colheita, Transbordo e Transporte), que historicamente era mais onerosa e representava a maior parcela da composição do custo de produção de cana-de-açúcar.

Nas últimas safras, entretanto, os tratos culturais vêm se sobrepondo a esses custos. “Considerando esses aspectos, o custo total de produção da cana própria saltou de R$111,82/t na safra 2019/20 para R$ 119,42/t na safra 2020/21, representando um incremento de 6,8%, superior à inflação de preços oficial, medida pelo IPCA”, afirma o economista.

Segundo o Pecege, trata-se de um aumento nominal superior à inflação oficial acumulada em 2020, de 4,52%, refletindo um grau de pass-through (repasse) da taxa de câmbio para os preços e insumos empregados na área agrícola maior do que para a média da economia brasileira.

“Desta forma, os ganhos de eficiência nas operações, bem como a maior diluição dos custos fixos, fruto da alavancagem operacional trazida pelo maior volume de ATR processado, não foram capazes de suplantar os aumentos do custo de produção da matéria-prima na safra 2020/2021”, destaca o economista.

Adicionalmente aos impactos sobre o custo de produção, na área de manutenção automotiva, houve um incremento no preço de diversos itens, dentre eles, óleo lubrificante, acessórios/peças e pneus, os quais apresentaram um aumento de 5,46%, 4,43% e 16,37%, respectivamente, em 2020 comparativamente ao ano anterior.

Cadastre-se em nossa newsletter