Compartilhar

No segundo painel desta quarta-feira (05/08) “Papo reto com os Produtores da Canacampo e o futuro do setor”, mediado pelo jornalista Marino Guerra, da Revista Canavieiros, foi destacado que o produtor precisa de parceria, se unir, buscar informações e avançar nas variedades, com material de alto potencial. Além do foco no grande benefício que o setor traz para as regiões onde se instala.

O evento é gratuito. Assista-o clicando aqui.

O produtor Ademir Ferreira de Melo (Fazenda Boa Esperança) disse que a produtividade da cana-de-açúcar está crescendo muito na região de Campo Florido, chegando às 100 toneladas de cana/hectare, devido ao modo de trabalhar dos produtores, com união, informação, pesquisa e inovação.

“Nós, da Canacampo, temos que trabalhar bem para ter mais açúcar possível, e essa união em torno da entidade nos ajuda muito”, afirmou o produtor, que também é forte no setor de grãos e pecuária.

Já Marcos César Brunozzi (Brunozzi Agropecuária), ex-presidente da Canacampo, ressaltou a importância do setor para as cidades de atuação das usinas, como a Usina Santo Ângelo, em Pirajuba, que dobrou sua população para cerca de cinco mil habitantes, após a instalação da empresa no município.

Além da infraestrutura espetacular criada pela parceria público privada (PPP) da Usina Coruripe, em Campo Florido, que propiciou a melhoria das rodovias e do transporte em toda a região.

Silvio de Castro Cunha Jr. (Fazenda São Sebastião/Agroexport) destacou que o mais importante é o trabalho em conjunto que culminou na criação da Canacampo, numa forte parceria com a Usina Coruripe.

O principal recado para os produtores é que, se estiver ganhando, com relativa margem, é preciso pensar em estocar, pelo menos uma parte a produção e trabalhar com mais segurança no negócio.

“O dólar está ajudando nos preços do setor e se outros países passarem a produzir etanol, como a Índia, haverá um maior equilíbrio tanto para o mercado de etanol quanto de açúcar”, afirmou.

Segundo Sílvio, que tem uma das maiores trades que atua na agropecuária do país, o mercado de álcool gel está bastante difundido e, mesmo depois da pandemia, acredita que vai ter uma grande demanda e poderá ser mais um produto tipo exportação do setor.

O produtor João Bosco Salomão (Avil Agropecuária) disse que tem ganhado bastante na produtividade da cana e está 100% à frente do negócio, fazendo um trabalho bem feito, “no capricho”, assim como ocorre na soja.

Segundo ele, devido à união junto à Canacampo mudou o patamar de produtividade da cana e ressaltou que tudo que aprender será difundido, tendo como palavra-chave a parceria.

Cadastre-se em nossa newsletter