Executivo

*Alisson Henrique

O executivo do mês está sempre mirando um alvo. Seja na vida ou durante a pratica de um de seus esportes favoritos, o tiro ao prato. Sempre muito determinado, Rafael de Andrade Neto, diretor Agrícola da Usina Pitangueiras, conta que se tem um meta ou objetivo, ele trabalha e se esforça para conseguir. “Se eu realmente quero algo, eu vou conseguir, pois tenho fé e trabalho para isso.”

Nascido e criado dentro de uma fazenda, Andrade Neto, viveu sua infância observando de perto o trabalho dos agrônomos que cuidavam das plantas e das terras da família. Foi assim que o longo relacionamento com o setor canavieiro começou. Antes mesmo de pensar em estudar agronomia e antes mesmo da destilaria da família se tornar uma usina produtora também de açúcar e energia, Andrade Neto começava a atuar nos pequenos afazeres da propriedade.

“Comecei muito menino. Ajudava a lavar as peças dos motores das máquinas agrícolas. Durante minha infância e juventude passei por quase todas as áreas da usina. Acredito que foi isso que me ajudou a ser um líder melhor, pois sei das dificuldades que existem em cada parte da empresa”, explica orgulhoso.

Toda a dedicação e aprendizado proporcionado por cada área por onde passou tornou-o um dos principais pilares hoje da Usina Pitangueiras, uma empresa familiar, mas que conta com uma gestão bastante organizada. Desde 2013, além de Rafael de Andrade, a equipe de frente da empresa é formada pelo pai, João Batista de Andrade, presidente da unidade, e João Henrique Andrade, diretor Administrativo/Industrial.

“Como engenheiro agrônomo mesmo eu comecei a atuar em janeiro de 2004. Tudo que eu tinha lido e aprendido em teoria na universidade, pude colocar em pratica na usina. Fui crescendo, assumindo o controle agrícola, depois fiquei responsável pelo setor de Compras e Suprimentos, até chegar na diretoria Agrícola”, explica.

IMG-20160616-WA0015.jpgIdade – 36 anos

Estado Civil – Casado e tem três filhos

Naturalidade – Pitangueiras, SP

Formação – Engenheiro agrônomo formado pela Unimar (Universidade de Marília)

Cargo – Diretor Agrícola da Usina Pitangueiras

Hobbies – Pesca e tiro esportivo

Filosofia de vida – “Fazer o bem, seja onde for e com quem for.”

 

USINA PITANGUEIRAS

A história da Usina Pitangueiras começa em maio de 1975, quando foi fundada a indústria de Aguardente São Rafael, com sede localizada na fazenda Santa Rita, município de Pitangueiras, interior de SP. Sua capacidade de moagem, na época, era de 1.000 t/dia e sua primeira produção foi de 2 mil m3.

“Já em 1984, sob a denominação ‘Destilaria Pitangueiras’, a empresa tornou-se mais uma produtora de etanol do país, gerando ainda mais empregos para o município e região. Sua primeira produção de etanol atingiu um pouco mais de 16 mil m3”, relata o executivo.

Foi somente em 2001 que a destilaria passou a se chamar Pitangueiras Açúcar e Álcool, com capacidade produtiva de 10 mil sacas de açúcar e 600 mil l de etanol por dia. Quinze anos depois, em 2016, a usina passou também a produzir energia elétrica para consumo e comercialização.

Andrade Neto aponta que durante toda esta evolução e mudanças da empresa a maior dificuldade foi manter as pessoas engajadas e comprometidas com as mudanças. “O maior empecilho dentro de qualquer empresa é conseguir com que as pessoas aceitem as mudanças que precisam ser feitas para que a empresa se modernize e seja competitiva no mercado”, opina.

Em constante evolução, o grupo continuou a desenvolver novos projetos e a promover mudanças sustentáveis. Em 2015, para celebrar os 40 anos da sua fundação, a usina deu início ao Projeto UP! (Unindo Potenciais), que consolida grandes investimentos da empresa na integração de pessoas, processos e softwares visando a melhora dos resultados gerais do negócio e a garantia da longevidade e perpetuação da empresa.

“Entre todos os pontos, o que mais temos focado é na eficiência. Pretendemos, enquanto tivermos no comando da usina, que ela seja a mais eficiente possível. Nossa visão é ser referência no setor sucroenergético, através de inovações e comprometimento das pessoas envolvidas.”

IMG-20170515-WA0099.jpg
Andrade Neto: “A pesca está nas minhas
origens. Meu avô era pescador profissional
e hoje gosto de levar meu filho para sentir
o prazer da pescaria.”

SAFRA 2017/18: O QUE VEM POR AÍ

 Iniciada em abril, a safra na Usina Pitangueiras espera ter um acréscimo de 4% em relação à passada. “Pelas perspectivas, teremos uma produção maior. Na última temporada, chegamos a 2,2 milhões de t e neste ano devemos atingir mais de 2,3 milhões de t.” Esta expectativa ainda não será o suficiente para que a usina trabalhe em sua capacidade máxima, que é de 3 milhões de t, meta da unidade para os próximos anos.

Para a unidade, o mix terá um percentual maior destinado ao açúcar. A expectativa é que 74% seja dirigido a commodity e 26% ao etanol. “Na safra passada nosso mix foi de 68,15% pra açúcar, onde tivemos 136 kg de ATR (Açúcar Total Recuperável) médio, produção de 192, 7 mil t de açúcar e 62,2 mil mde etanol, além de 1.097 t de levedura seca e 87,8 mil MWh de energia exportada”.

O maior desafio desta safra será aumentar a produtividade dos canaviais. “Estamos com um projeto chamado ‘Usina Pitangueiras: Parceiros no Campo’, que tem como objetivo o uso de tecnologias como piloto automático para plantio e colheita, sistematização das áreas, adequação do perfis varietais, recomendações agronômicas, além de boas práticas operacionais. Como nós queremos isso em 100% das áreas, estaremos disponibilizando uma equipe para orientar nossos parceiros que fornecem cana a fim de ajuda-los a bater metas em produtividade”, destaca.

 Além da busca pela maior produtividade dos canaviais, outra prioridade da usina é aprimorar a produção de energia a partir da biomassa. “É uma das melhores e mais limpas fontes de energia e também gera um bom faturamento. Na Pitangueiras já fazemos o uso de enfardadoras e conseguimos reduzir os custos do transporte da palha devido a alta densidade dos fardos. É uma de nossas prioridades hoje, sem dúvida.” Para o diretor Agrícola, o segredo do sucesso da empresa está em conhecer e aderir ao novo, e utilizar isso com responsabilidade, maturidade e eficiência.

“Nossa meta é reduzir gastos, mas não a qualquer custo, pois prezamos pela qualidade de vida de nossos funcionários e parceiros. Nossos maiores investimentos são, e continuarão sendo, em treinamento das pessoas envolvidas, buscando uma equipe sempre mais afinada com os anseios da empresa.”

PAIXÃO PELO TIRO ESPORTIVO

Como vive em Ribeirão Preto, SP, Andrade Neto viaja todos os dias até Pitangueiras. “São apenas 45 minutos. Quando chego, gosto de ir para o campo, mas também fico um tempo no escritório, onde tenho muitos afazeres. Fazemos reuniões semanais e mensais para fazer planejamentos e o controle das atividades da unidade”, revela.

Para descansar a mente e o corpo Andrade Neto pratica uma série de atividades. Os hobbies são muitos. Mas o que ele mais gosta mesmo é de praticar o tiro esportivo. Ele é especialista em tiro ao prato, treina tiro de precisão e Airsoft, um jogo parecido com o paintball, mas que utiliza armas de pressão que atiram projeteis plásticos ao invés de projeteis feitos à base de tinta. Além disso ele conta que pratica também caça e pesca.

20161123_211807_002.jpg
Andrade Neto: “Hoje tenho uma esposa
exemplar que me deu três filhos maravilhosos”

“Faço competições de tiro ao prato e também tiro de precisão, além de cursos de defesa pessoal e familiar. A pesca está nas minhas origens. Meu avô era pescador profissional e hoje gosto de levar meu filho para sentir o prazer da pescaria. Já o Airsoft costumo jogar aos domingos com meu filho”.

Viajar também é uma prioridade na vida do executivo. Ele revela que gosta muito de viajar e que já conheceu diversos locais nos EUA como Orlando, Miami, Saint Louis, Chicago, Daytona, Califórnia, Las Vegas e outras cidades menores. Países na Europa como França, Bélgica, Holanda e Portugal também já fizeram parte de suas programações. “Na América do Sul já visitei o Chile, Bolívia, Argentina, Uruguai, Paraguai, Panamá e México. Sempre que posso volto para Orlando, pois gosto muito de ver meus filhos se divertindo na Disney. Até eu volto a ser criança. É muito bom!”

 Não tomar decisões precipitadas, ouvir mais e julgar menos são os maiores aprendizados de Andrade Neto até agora. “Aprendi a respeitar a singularidade de todo ser humano, que é único e diferente fisicamente e mentalmente. Acho que a gente tem que fazer as coisas com amor. Não importa quantos tombos você vai levar. O importante é se levantar e lutar, ser um vencedor”, diz ele que revela ter vários sonhos, ponderando que o principal já se tornou realidade. “Tenho muitos [sonhos], mas o mais importante, que é constituir uma família, já foi realizado. Hoje tenho uma esposa exemplar que me deu três filhos maravilhosos e daqui a alguns anos realizarei o sonho de ser avô.”

O diretor Agrícola da Usina Pitangueiras conta que na sua filosofia de vida é fazer o bem, seja onde for e com quem for. Ele também diz que procura ser correto em suas ações, assumir seus erros e aceitar os acontecimentos da vida, aconteça o que acontecer. Andrade Neto busca na simplicidade todas as repostas. “Tem um livro que eu ganhei do meu irmão, chamado ‘Você faz a diferença’, onde tem uma frase que me ajudou muito: ‘Embora ninguém possa voltar atrás e construir um novo começo, qualquer pessoa pode começar a partir de agora e construir um final completamente novo’”, finaliza.

*Colaborou Alisson Henrique sob supervisão de Natália Cherubin

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui