Usinas: percentual de fixação é o pior desde 2012

De acordo com dados divulgados pela Archer Consulting, até o final de junho/19 as usinas estavam fixadas em 11.22 milhões de toneladas para a safra 2019/2020. Esse número representa 58.2% do volume estimado de exportação do Brasil para a safra2019/2020. Em junho passado, as usinas estavam fixadas 68.5% do total estimado de exportação.

Leia também: usina lança campanha de prevenção e combate a incêndios

De acordo com Arnaldo Correia, sócio diretor da consultoria, a desaceleração na fixação de preços mostra que muitas usinas deixaram de fixar o açúcar em função de uma melhor remuneração do etanol hidratado no mercado interno, que deixa a decisão de produzir açúcar e fixar mais para adiante.

De acordo com dados divulgados pela Archer Consulting, até o final de junho/19 as usinas estavam fixadas em 11.22 milhões de toneladas para a safra 2019/20
De acordo com dados divulgados pela Archer Consulting, até o final de junho/19 as usinas estavam fixadas em 11.22 milhões de toneladas para a safra 2019/20

“O preço médio das fixações apurado é de 1,159 reais por tonelada FOB, com prêmio de polarização, equivalentes à 50,66 centavos de real por libra-peso (nesse caso, sem pol). O percentual fixado (estimado em 58.20%) é o menor desde que a Archer Consulting começou a apurar os números em 2012/2013.”

Volume de rolagem das usinas 

De acordo com ele, o volume de rolagem por parte das usinas, apostando em melhora do açúcar é um dos motivos do menor percentual de fixação dos últimos oito anos. ” Uma combinação de crise externa, que pode provocar a queda dos preços do petróleo e a contínua fraqueza do mercado físico de açúcar podem desconsiderar os fundamentos construtivos do açúcar e provocar venda (fixação) movida pelo pânico”, finaliza.